Bolsonaro faz governo super atuante e tem ótima aprovação até agora

03/01/2021

São inúmeras medidas tomadas e outras já estão no Congresso para votação. Satisfação é geral.

Publicidade

Presidente Bolsonaro e Ministro da Economia Paulo Guedes. Dupla não para de atuar contra o povo, em particular contra os mais pobres. Foto: Agência Brasil.
Presidente Bolsonaro e Ministro da Economia Paulo Guedes. Dupla não para de atuar contra o povo, em particular contra os mais pobres. Foto: Agência Brasil.

SóEntendeQuemLer | Ouve-se muito que o presidente Bolsonaro não faz nada. Mas esta é uma afirmação do senso comum que, evidentemente, não bate com a realidade. 

Desde que assumiu o governo em janeiro de 2019, o fascista e seus ministros, em particular Paulo Guedes (Economia), não param de atuar contra o povo, sobretudo contra os mais pobres. 

Não à toa, satisfação com o mandato de Bolsonaro é geral entre os donos de bancos, grandes empresários, ruralistas, jagunços, milicianos, estelionatários, evangélicos charlatães, pedófilos, racistas, homofóbicos, militares alojados em gabinetes governamentais, terraplanistas e, é claro, a própria família do presidente e seus amigos mais chegados. Após o anúncio, veja breve lista de feitos do capitão até agora.

Alguns feitos de Bolsonaro até agora:

  • Consolidou a Reforma Trabalhista iniciada por Michel Temer, política que arrasa com os direitos do trabalhador do setor privado e favorece os grandes empresários.
  • Fez a Reforma da Previdência, o que na prática extinguiu o direito à aposentadoria da maioria da população e a previdência pública.
  • No início da pandemia, deu mais de R$ 1 trilhão aos bancos e agora cortou o Auxílio Emergencial. Continua, após o anúncio.
  • Atua de forma deliberada para emperrar a compra da vacina anti coronavírus para o Brasil.
  • Cortou verbas das universidades e institutos federais de educação, bem como da educação básica pública.
  • Zerou o piso do magistério deste ano.
  • Cortou verbas da Saúde, o que dificulta enormemente o combate à Covid-19.
  • Enviou a Reforma Administrativa ao Congresso, para acabar estabilidade do funcionalismo e privatizar o setor público.
  • Alojou nos gabinetes do governo federal dezenas de militares, simplesmente com o intuito de privilegiar o setor de onde veio. Continua, após o anúncio.
  • Gasta de forma desmesurada o cartão corporativo do governo com despesas secretas, isto é, que o povo não pode saber.
  • Usa órgãos públicos para tentar livrar seus filhos dos escândalos em que estão metidos.
  • Dá proteção às milícias e:
  • Um longuíssimo etcétera no mesmo sentido dos feitos elencados acima.

Bolsonaro, portanto, pode ser acusado de tudo. Menos de que não está fazendo nada.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Salários do magistério devem ser aumentados para que, no mínimo, 70% dos recursos do Fundeb sejam totalmente absorvidos durante o ano com pagamento de pessoal. É o que determina a atual lei desse fundo. Alternativa imediata é pagar o reajuste de 31,3% previsto para 2022. Melhoria na remuneração é o que legalmente evitará isso que chamam de 'sobras'...
Planos de remuneração e carreira de estados e municípios preveem uma série de direitos ao magistério. Em muitos casos, contudo, vários não são efetivados e boa parte dos educadores ignora a questão. Por isso, todo ano é comum sobrar recursos do Fundeb. É preciso cobrar logo, pois Reforma Administrativa (Pec 32), se aprovada, proíbe vantagens ao...
"Sobras do Fundeb é dinheiro que deveria ter sido pago ao longo do ano e não foi. Se um valor que era para ter sido pago em janeiro foi quitado em dezembro, essa quitação deve ser atualizada. Afinal, um quilo de feijão ou litro de gasolina não ficam congelados à espera do professor receber o que tem direito", explica o especialista.....
Majoração de recursos do fundo e outras receitas, como FPM, e menos gastos devido a falta de reajuste para o magistério, contribuem para o superávit de estados e municípios. Tal contexto aponta para abono neste ano ao docente e também reajuste do piso do(a) professor(a) em 2022.