Guedes propõe congelar salário do servidor de estados e municípios para combater a saúde

20/04/2020

Economia / Fala esquisita do ministro foi reproduzida em matéria do site O Globo. Proposta é deixar funcionalismo sem qualquer reajuste por 24 meses.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

O ministro da Economia Paulo Guedes prometeu ampliar recursos em dinheiro para os estados caso o Congresso aprove congelamento dos salários dos funcionalismo de todo o País por 24 meses, ou seja, dois anos. Matéria sobre isto está no site O Globo (20). A proposta é imoral. E a "justificativa" apresentada é no mínimo muito estranha. Veja, após o anúncio.

Print da "justificativa" do ministro, segundo O Globo

Fala se deu durante conversa com investidores transmitida ao vivo:

Em que Estado ou município houve aumento generalizado de salários nos últimos anos, principalmente depois do golpe que derrubou a presidenta Dilma Rousseff (PT)? E que história é essa de mais recursos para combater a saúde? O ministro enlouqueceu? Ou terá sido erro do jornalão dos Marinhos?

Matéria do Globo diz ainda que o governo Bolsonaro "sugeriu um pacote de R$ 77,4 bilhões como ajuda a estados e municípios" por conta da crise do coronavírus. Continua, após o anúncio.

"É esse valor que o ministro [Paulo Guedes] diz que pode ampliar, caso consiga passar no Legislativo a proposta de congelamento de salários [dos servidores]. O governo federal negocia com o Senado a aprovação do projeto alternativo."

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.