Salários de servidores poderão atrasar ou sofrer redução drástica por causa do coronavírus

21/03/2020

Economia / Deputado e Rede Globo lançaram proposta a esse respeito. Economista alerta funcionalismo sobre a gravidade da situação.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva
Imagem: aplicativo Canva

Salários dos servidores públicos de todo o Brasil poderão atrasar ou sofrer drástica redução por conta do surto de coronavírus que ameaça todo o País. O deputado federal Fábio Faria (PSD-RN) e a Rede Globo já lançaram proposta de corte nos ganhos do funcionalismo. Ao final da matéria, economista alerta sobre a gravidade da situação. Continua, após o anúncio.

Ataque aos servidores

Em sua conta no Instagram, o deputado bolsonarista Fábio Faria defendeu corte de até 50% nos salários do funcionalismo da União, estados e municípios, dos três poderes. Matéria sobre isto está no site PODER 360 (20). 

Para defender tal proposta, o parlamentar citou o péssimo exemplo do ministro Paulo Guedes — chefão da equipe econômica de Bolsonaro — que propôs tesourar 50% dos ganhos dos trabalhadores do setor privado. Na mesma linha, a Rede Globo chama servidores de privilegiados' e também defende corte nos salários dos mesmos. Continua, após o anúncio.

"Cortar na carne"

"Eu acho que isso [cortar até 50% do salário do servidor da União, estados e municípios] deveria ser feito para os Três Poderes, Judiciário, Executivo e Legislativo. Enquanto durar essa crise, todos nós cortaremos na carne", declarou o parlamentar Fábio Faria, que teve o apoio do seu colega Wladimir Garotinho (PSD-RJ). 

"Privilegiados"

A Rede Globo, por sua vez, publicou o editorial "Funcionalismo tem de dar a sua contribuição" (20). No texto, chama os servidores de 'privilegiados' e defende a mesma ideia de cortar salários:

"O servidor público, que sai do serviço ativo ainda jovem e com benefícios superiores a R$ 10 mil ou R$ 20 mil, a depender da esfera administrativa em que esteja. A reforma [da Previdência] conseguiu acabar com parte do privilégio, mas apenas para os novos servidores, e nem todos." Continua, após o anúncio.

Economista alerta

O Dever de Classe consultou o economista Carlos S Campelo, que fez o seguinte alerta:

"O funcionalismo corre de fato sério risco de perder temporariamente seus salários por conta dessa crise gerada pelo coronavírus. União, estados e municípios, seguindo orientações do governo Bolsonaro, não hesitarão em cortar na carne de professores, enfermeiros, médicos e outros servidores comuns, pois não terão coragem de cobrar os impostos devidos por grandes empresários e banqueiros. Ademais, com boa parte da economia parada, entes da federação arrecadarão menos, o que certamente será usado para justificar eventuais atrasos ou cortes drásticos nos salários do funcionalismo. A situação é grave."

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...