Economia

Dados da Secretaria do Tesouro Nacional e do Banco do Brasil mostram tendência de crescimento nas verbas do FPM e Fundeb, fenômeno que vem desde janeiro de 2021. Prefeitos e governadores podem perfeitamente, por exemplo, hornar reajustes salariais para o funcionalismo, em particular em relação ao índice de 33,23% do magistério.
Dinheiro é do FPM e vem com acréscimo de 26,16% em relação ao mesmo período de 2021. O acumulado do ano é de quase R$ 38 bilhões. Municípios não podem alegar falta de recursos para honrar compromissos, como por exemplo cumprir o reajuste dos professores.
Somado ao desconto do Fundeb — perto de R$ 3 bi —, montante é de quase R$ 14 bi. Com o recebido no mês de janeiro, já são quase R$ 30 bilhões em menos de dois meses para os cofres dos municípios. Não é por acaso que muitos estão pagando o reajuste do magistério, inclusive com percentual acima do que reza a lei do piso....
Valor de R$ 1.212 — estipulado pelo presidente Jair Bolsonaro — não repõe sequer a inflação de 2021 e contraria a Constituição Federal, ao não suprir as despesas básicas de uma família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência.
Redução salarial, fim da estabilidade, contratação precária e sem concurso público por até dez anos e terceirizações e privatizações gerais na Saúde e Educação. Estes são alguns dos pontos previstos na Reforma Administratia que o governo federal quer aprovar neste ano. Medida já passou em comissão especial da Câmara e agora vai a plenário. Projeto...
Dinheirama — já descontado o Fundeb — é de quase R$ 4 bi e referente ao FPM. Cai nesta sexta-feira (28) na conta dos municípios. Somados, os três repasses deste mês de janeiro chegam a aproximadamente R$ 13 bi e são maiores que os do mesmo período do ano passado. Enquanto isso, líder da CNM, de forma irresponsável, manda prefeitos...
Dia 10 foram R$ 6,7 bilhões. Nesta quinta-feira (20) entrarão mais quase R$ 2 bilhões. Valores relativos ao FPM são bem maiores que os recebidos no mesmo período de 2021. 20% vão para o Fundeb, o que ajuda a viabilizar o reajuste de 33,23% dos professores.
Sangria nos salários de quem não está mais na ativa se intensificou a partir da Reforma da Previdência criada pelo presidente Bolsonaro. Cortes nos benefícios chegam a até 14% mensais.
R$ 5,4 bilhões entrarão dia 10 nos cofres municipais. Segundo dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), o decêndio é 15,24% maior do que o mesmo repasse de janeiro de 2021. Sem dúvidas, um bom incentivo inicial que pode ajudar no pagamento do piso do(a) professor(a).