Corte de direitos em universidades e institutos federais leva pânico a técnicos e professores

19/02/2020

COMPARTILHE!

Educação / Tesoura pega horas-extras, adicional noturno, incentivo por titulação e muitas outras conquistas dos servidores.

Publicidade

Presidente Bolsonaro e Abraham Weintraub, ministro da Educação. Cortes em órgãos federais antecipam Reforma Administrativa. Foto: Agência Brasil.
Presidente Bolsonaro e Abraham Weintraub, ministro da Educação. Cortes em órgãos federais antecipam Reforma Administrativa. Foto: Agência Brasil.

A reforma Administrativa ainda não foi sequer enviada ao Congresso, mas na prática já começou a vigorar nas universidades federais e institutos federais de educação de todo o Brasil. 

Por ordem do governo Bolsonaro, uma super tesoura foi acionada contra direitos históricos de professores e técnicos dessas instituições. 

Horas extras, adicionais, promoção na carreira, incentivos por titulação e muitas outras conquistas estão proibidas por tempo indeterminado. 

Para que se tenha uma pequena ideia da gravidade da medida, a Universidade Tecnológica Federal do Paraná baixou uma lista com vinte proibições.

Iniciativa deixou docentes e demais funcionários em estado de pânico, conforme veremos após o anúncio.

Pânico

O ambiente é de pânico nas universidades federais e institutos federais de educação. O DEVER DE CLASSE conversou com alguns professores e técnicos da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e do Instituto Federal do Piauí (IFPI) e apenas um não demonstrou preocupação com os efeitos da medida.

"Tomei conhecimento disso pela imprensa. Não quero crer que seja verdade. Mas, se for, para mim não será nenhuma surpresa. Este governo não tem qualquer compromisso com a educação pública", disse um docente que prefere não se identificar. Continua, após o anúncio.

"Fake news"

Um técnico, no entanto, destoa da maioria dos demais colegas e diz que o presidente Bolsonaro jamais faria uma coisa dessas. O moço, que também prefere ficar no anonimato, se declarou bolsonarista e disse que a notícia é 'fake news".

Quiséramos nós que fosse.

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação. Temos custos a pagar todos os meses e precisamos de apoio para que possamos manter nossas publicações. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".
"Já falei mais de mil vezes: o que define o reajuste é o texto da lei 11.718, que continua totalmente em vigor. Além disso, o índice de 33,23% é baseado em portarias interministeriais do governo federal, algo que também já foi definido em 2021. O anúncio oficial por parte do MEC é só uma mera formalidade, não faz parte...