Negar reajuste desagrada até docentes bolsonaristas

25/01/2022

Em depoimento enviado ao Dever de Classe, professora fã do capitão diz que: "Ainda acredito, mas qualquer hora largo o presidente, pois ele não pode trair o magistério e tem de anunciar oficialmente o reajuste de 33,23%. Ou, pelo menos, se justificar porque até agora não fez. Meu prazo pra ele tá acabando".

Bolsonaro, odiado pela ampla maioria do povo brasileiro. Foto: Agência Brasil.
Bolsonaro, odiado pela ampla maioria do povo brasileiro. Foto: Agência Brasil.

Educação | A popularidade do presidente Jair Bolsonaro cada vez derrete mais. No caso do magistério, até docentes fãs do capitão mostram-se decepcionados com o mito. É o caso, por exemplo, de uma professora de Santa Catarina que nos enviou um depoimento dizendo, entre outras ameaças, que o prazo dela para o rei das fake news está acabando. A moça está revoltada porque Bolsonaro se nega a fazer o anúncio oficial do reajuste de 33,23% para sua categoria. Confira na íntegra, após o anúncio.

Leia também: 

O depoimento da professora

Ela pede para não se identificar. Alega que pode receber retaliações de colegas bolsonaristas e de "gente do PT" que trabalha em sua escola.

"Se decepção matasse, acho que hoje eu seria uma pessoa morta. Mas, pensando bem, é importante não perder a esperança no nosso presidente Jair Bolsonaro. Ainda acredito, mas qualquer hora largo o presidente, pois ele não pode trair o magistério e tem de anunciar oficialmente o reajuste de 33,23%. Ou, pelo menos, se justificar porque até agora não fez. Meu prazo pra ele tá acabando."

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt 

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.