Capitais iniciam ano com boa alta nas verbas do Fundeb

22/01/2022

Além de majoração no Fundeb, há também incrementos no FPM, o que desmonta o discurso de prefeitos sobre falta de recursos para cumprir o reajuste de 33,23% dos professores.

Há dinheiro carimbado e suficiente para cumprir correção salarial do magistério.
Há dinheiro carimbado e suficiente para cumprir correção salarial do magistério.

Educação | À exceção de apenas uma, todas a demais capitais do País tiveram alta de repasses do Fundeb nas três primeiras semanas deste ano de 2022. Dados são do Banco do Brasil. Palmas, por exemplo, teve majoração de 122%. Em Macapá, João Pessoa e São Luís, elevação de recursos chegou a 55%, 38% e 30%, respectivamente. Além disso, há também incrementos no FPM, o que desmonta o discurso de prefeitos sobre falta de dinheiro para cumprir o reajuste de 33,23% dos professores. Após o anúncio, confira tabela geral com todas as capitais.

Leia também: 

Incrementos também no FPM

Além de alta no Fundeb, conforme se poderá conferir nas tabelas abaixo, há também elevação de recursos no Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Confira:

Tabelas Fundeb

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt 

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.