Fundeb das capitais aponta para rateio de sobras de recursos

17/12/2021

Levantamento feito a partir de dados atualizados do Banco do Brasil mostra que houve significativo crescimento de repasses neste ano de 2021. Como piso do magistério não teve reajuste, aplicação do percentual de 70% no pagamento do magistério da ativa certamente não foi atingido na íntegra.


Educação | Levantamento do Fundeb feito a partir de dados atualizados do Banco do Brasil mostra que houve significativo crescimento de repasses neste ano de 2022 para todas as capitais brasileiras. 

Sem reajuste, com abono

Como piso do magistério não teve reajuste, aplicação do percentual de 70% no pagamento do magistério da ativa certamente não foi atingido na íntegra. Com isso, gestores têm de pagar um abono. 

Veja dados preliminares, após o anúncio.

Alta de recursos

O município de Fortaleza, por exemplo, recebeu do Fundeb em outubro/novembro de 2020: R$ 754.078,03. Em igual período deste ano, verba subiu para R$ 1.011.355,55. Crescimento: +34,11%. Alta foi geral: Natal: +17,57; Manaus: +55,97%; Teresina: +27,65.

Clique AQUI e acesse tabela atualizada com as 27 capitais.


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite para deixar também uma contribuição para o nosso site.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.