10 razões para nenhum professor voltar às escolas antes de ser vacinado

01/02/2021

Não faz o menor sentido arriscar a vida de milhões de professores e alunos para atender a interesses deste ou daquele político ou de grupos econômicos.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva
Imagem: aplicativo Canva

Educação | O Dever de Classe fez um levantamento dos principais argumentos científicos sobre por que não é sensato reiniciar aulas em nosso País antes que a pandemia de coronavírus esteja rigidamente controlada. 

Pontos foram submetidos via Messenger à apreciação de vários profissionais do magistério, das mais diversas disciplinas. 

Foi quase unanimidade que escolas não podem reabrir agora porque não faz o menor sentido arriscar a vida de milhões de professores e alunos para atender a interesses deste ou daquele político, mesmo que seja o Presidente da República ou o Ministro da Educação. Veja, após o anúncio.

Leia também:

  1. Professores estão entre os profissionais mais vulneráveis à Covid-19, diz médico
  2. No máximo morrerão uns 40 mil, afirma ministro da Educação ao pedir reabertura das escolas
  3. Biólogo alerta sobre perigo de voltar às aulas antes do segundo semestre
  4. Escolas reabrem e fecham novamente na França, após dezenas de novos infectados por coronavírus

10 razões para não reabrir escolas agora

1. Crianças, segundo os mais variados profissionais médicos, são vetores fáceis do vírus, pois geralmente não apresentam sintomas graves ou mesmo leves da doença. Dentro do espaço fechado de uma sala de aula, basta um para contaminar muita gente.

2. Professores, em grande, parte, estão nos grupos de risco, pois muitos têm doenças respiratórias, diabetes e outras. Logo, podem se contaminar e até morrer com mais facilidade. E há também os demais profissionais do magistério, inúmeros também com doenças preexistentes. Continua, após o anúncio.

3. Pelas condições objetivas de nossas escolas, não é possível manter uma distância segura entre professores e alunos, principalmente nas salas de aula com mais de 30 estudantes. Leia mais sobre isto AQUI.

5. Ainda não há no mercado equipamentos de segurança suficientes, como máscaras, por exemplo, que possam ser adquiridas e usadas por todos dentro do ambiente escolar. Sob esse aspecto, há também o agravante das condições financeiras ruins das famílias de milhões de alunos que não têm condições de comprar tais dispositivos.

6. O potencial de atendimento médico e hospitalar do País, no SUS ou rede privada, não é capaz de atender a população caso ocorra uma contaminação em massa ou pelo menos mais vigorosa do que já vimos até aqui. Continua, após o anúncio.

7. Ainda não há em nenhum canto do mundo uma vacina ou qualquer remédio seguro contra a pandemia.

8. Os que defendem a reabertura geral de tudo, incluindo as escolas, o fazem a partir de interesses políticos e econômicos pessoais. Ou seja, pouco se importam com quem vai se contaminar e morrer.

9. É consenso no mundo todo, entre cientistas das mais variadas áreas médicas, que as escolas estão entre os locais mais propícios à disseminação da doença.

10. Preservar a vida de milhões de alunos, professores e demais profissionais do magistério vale mais que qualquer ano letivo ou interesses econômicos e políticos de quem quer que seja.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.