Biólogo alerta sobre perigo de voltar às aulas antes do segundo semestre

15/04/2020

Educação / Voltar agora seria abrir espaços para um suicídio coletivo, onde professores e alunos entrariam como as maiores vítimas.

COMPARTILHE!

Publicidade

Como manter distância segura entre alunos em salas superlotadas? Imagem criada com o aplicativo Canva
Como manter distância segura entre alunos em salas superlotadas? Imagem criada com o aplicativo Canva

Um biólogo consultado pelo Dever de Classe alerta sobre o perigo de voltar às aulas antes do segundo semestre, o que ele chama de "abrir espaços para um suicídio coletivo". O professor destaca que escolas e salas de aula têm um altíssimo poder de disseminar o coronavírus, o que torna professores e alunos alvos fáceis da doença. O mais correto e sensato, diz, é esperar que a epidemia esteja controlada de forma segura, pois o direito à vida deve estar acima de qualquer coisa. Leia entrevista sobre o tema após o anúncio e vote na enquete ao final da matéria.

Leia também:

  1. Descompasso no governo pode levar a cancelamento do ano letivo, diz analista
  2. Jurista diz que quarentena não desobriga reajuste (12,84%) do magistério
  3. Professores têm medo de pegar coronavírus nas escolas

O que diz o biólogo Bruno S Silva sobre essa questão:

Por que o senhor acha que as aulas não devem voltar antes do segundo semestre?

Voltar agora seria abrir espaços para um suicídio coletivo. Escolas e salas de aula são espaços muito favoráveis à disseminação do coronavírus, pois aglomeram diariamente e de forma natural muitos alunos, professores e demais profissionais do magistério. Basta que um esteja contaminado para que o vírus se espalhe com facilidade por toda a comunidade escolar e daí para fora. Quem quer uma coisa dessas para si ou para o próprio filho? Quem quer correr esse risco, quando o maior tratamento contra a Covid-19 ainda continua a ser a prevenção? Quem? É uma questão de decidir entre a vida e a possibilidade concreta de morrer. Qual o melhor caminho? Continua, após o anúncio.

Mas o senhor acha que já no segundo semestre essa pandemia pode estar controlada?

Não. Não há qualquer sinal disso. Quando falo em segundo semestre é só uma referência, pois o mais provável é que o isolamento tenha que se estender por muito mais tempo. Não se cria vacina ou medicamento seguro contra qualquer doença da noite para o dia. Há notícias de que Inglaterra e EUA, por exemplo, já falam em retomar aulas nas universidades só em 2021. Ora, se é difícil manter adultos em segurança dentro de uma universidade, imagine controlar crianças e adolescentes dentro das escolas da educação básica, sobretudo nas públicas, onde as salas são geralmente superlotadas.

Que conselho final o senhor daria, então?

Fiquem em casa!

Vote na enquete:

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.