Professores estão entre os profissionais mais vulneráveis à Covid-19, diz médico

30/05/2020

Grande parte dos docentes tem inúmeras doenças oriundas do exercício da sala de aula, que por si só já é um espaço propício à propagação do coronavírus

Atualizado em 06/07/2020, 08:11

COMPARTILHE!

Publicidade

Problemas físicos e psicológicos marcam a vida de muitos docentes, o que os torna mais frágeis nessa guerra contra a pandemia. Imagem: aplicativo Canva.
Problemas físicos e psicológicos marcam a vida de muitos docentes, o que os torna mais frágeis nessa guerra contra a pandemia. Imagem: aplicativo Canva.

Educação | Os professores estão entre os profissionais mais vulneráveis ao coronavírus. Quem nos diz isso é o médico Adalton N B Silva, consultado pelo Dever de Classe. O especialista afirma que pelo menos três fatores pesam contra os educadores nessa guerra contra a pandemia. Após o anúncio, ele nos traz importantes esclarecimentos sobre o assunto. 

Dr, por que os professores estão entre os mais vulneráveis ao coronavírus?

Contra os mestres pesam basicamente dois fatores, aliás, três, no caso de alguns. O primeiro é que muitos adquirem ou agravam várias doenças no exercício da profissão, como problemas na garganta, doenças respiratórias, hipertensão, diabetes, dores nas costas, esgotamento físico e mental, depressão etc. Isto baixa a imunidade dos mesmos e os torna, naturalmente, muito mais frágeis nessa guerra contra a pandemia. Continua, após o anúncio.

E o segundo e terceiro fatores?

A escolas são espaços naturais de aglomeração, e as salas de aula mais ainda. Já imaginou uma professora ou professor numa sala com 20, 30, 40 ou mais alunos? Um perigo! Se não estiverem todos muito bem protegidos, o risco de contaminação é enorme.

Um terceiro fator também importantíssimo é que muitos professores têm mais de 50 anos e já estão debilitados por causa de outras doenças. Idade e doenças preexistentes compõem um coquetel que pode ser mortal para eles, caso se contaminem com coronavírus.

O senhor acha correto retornar às aulas agora, como prega por exemplo o presidente Bolsonaro? (Ver resposta após o anúncio).

Acho muito arriscado. Eu não aconselharia, sobretudo porque se sabe que ainda não há vacina ou qualquer medicamento eficaz no combate à doença. Por outro lado, nossas autoridades não têm condições ou não querem adaptar as escolas para esse retorno de forma segura. É melhor todo mundo continuar em casa por enquanto.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.