Se for decretado retorno às aulas, professores poderão fazer a maior Greve Geral da história do País

05/07/2020

Rio já deu início ao processo e mais de 90% dos presentes em Assembleia Geral decidiram parar, caso aulas presenciais retornem antes que a Covid-19 esteja sob total controle.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

Educação | Maioria dos professores e demais profissionais do magistério rejeitam qualquer ideia de retorno às aulas antes que a pandemia de coronavírus esteja rigidamente sob controle em todo o Brasil. Isto é o que dizem muitas pesquisas nacionais sobre o assunto. 

No Rio, por exemplo, onde o prefeito Marcelo Crivella quer a volta às aulas presenciais a partir do próximo dia 10, mais de 90% dos professores da rede privada presentes em Assembleia Geral ontem (4) decidiram que não retornarão. 

A tendência maior é que se for decretado retorno às aulas, professores das redes pública e particular poderão fazer a maior Greve Geral da história do País, com adesão nunca antes vista. "Com saúde não se brinca", dizem em uníssono os educadores. Continua, após o anúncio.

Professores opinam

O Dever de Classe criou duas enquetes para saber a opinião dos educadores sobre o retorno às aulas presenciais em tempos de pandemia. Ampla maioria, como se observa abaixo, é contra voltar agora às escolas. Vote após o anúncio e dê também sua opinião.

Enquete 1

Enquete 2

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.