Se for decretado retorno às aulas, professores poderão fazer a maior Greve Geral da história do País

05/07/2020

Rio já deu início ao processo e mais de 90% dos presentes em Assembleia Geral decidiram parar, caso aulas presenciais retornem antes que a Covid-19 esteja sob total controle.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

Educação | Maioria dos professores e demais profissionais do magistério rejeitam qualquer ideia de retorno às aulas antes que a pandemia de coronavírus esteja rigidamente sob controle em todo o Brasil. Isto é o que dizem muitas pesquisas nacionais sobre o assunto. 

No Rio, por exemplo, onde o prefeito Marcelo Crivella quer a volta às aulas presenciais a partir do próximo dia 10, mais de 90% dos professores da rede privada presentes em Assembleia Geral ontem (4) decidiram que não retornarão. 

A tendência maior é que se for decretado retorno às aulas, professores das redes pública e particular poderão fazer a maior Greve Geral da história do País, com adesão nunca antes vista. "Com saúde não se brinca", dizem em uníssono os educadores. Continua, após o anúncio.

Professores opinam

O Dever de Classe criou duas enquetes para saber a opinião dos educadores sobre o retorno às aulas presenciais em tempos de pandemia. Ampla maioria, como se observa abaixo, é contra voltar agora às escolas. Vote após o anúncio e dê também sua opinião.

Enquete 1

Enquete 2

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

1932. O mafioso Al Capone começa, em Atlanta, a cumprir uma sentença de onze anos de prisão por sonegação de impostos.

1979. Margaret Thatcher vence as eleições gerais do Reino Unido e torna-se a primeira mulher a ser primeira-ministra britânica.

No entendimento de José Professor Pachêco e Renato Coelho de Farias, a correção do piso deve ser pelo custo aluno executado, e não pelo custo aluno estimado. Deste modo, índice de 2024 é 4,70%, e não 3,62%. Nesta linha, valor nominal deste ano é R$ 4.633,44, em vez de R$ 4.580,57. Foi o que divulgamos aqui em matéria do Dever...