Reforma ataca professores e maioria do funcionalismo e poupa os que ganham super salários

05/02/2021

Reforma Administrativa do presidente Bolsonaro é só injustiça. Enquanto penaliza um professor que tem piso nacional abaixo de R$ 3 mil, poupa parlamentares e magistrados que chegam a ganhar mais de R$ 100 mil por mês.

Publicidade

Esta dupla só é austera contra quem ganha pouco. Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.
Esta dupla só é austera contra quem ganha pouco. Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

Economia | A Reforma Administrativa do presidente Jair Bolsonaro ataca professores e maioria do funcionalismo, e protege quem ganha super salários. 

Entre a minoria que não sofrerá com a reforma (parlamentares, magistrados, procuradores, promotores e militares), há quem ganhe mais de R$ 100 mil em um único mês. Ver ao final da matéria.

Enquanto isso, o piso nacional do professor, por exemplo, não chega a três mil reais: R$ 2.886,24.  E os docentes estão entre os mais prejudicados no texto da reforma. Continua, após o anúncio.

Continua, após o anúncio.

Muito para poucos

Rodrigo Pacheco (DEM-MG) é recém-eleito presidente do Senado com o apoio bilionário do presidente Jair Bolsonaro. Em 2020, em plena crise de mortes e infecções por Covid-19, ele abocanhou só em salários R$ 438.919.

Outro que não sofrerá com os efeitos da Reforma Administrativa é Arthur Lira (PP-AL). Deputado foi eleito presidente da Câmara, também com o apoio bilionário de Jair Bolsnaro. Veja o que ele consumiu em 2020, em plena pandemia (R$): Ver após o anúncio.

  • Salários: 438.919;
  • Cota parlamentar: 104.751,27
  • Verba de Gabinete: 1.323.727,18
  • Total: 1.867.397,45 (Um milhão, oitocentos e sessenta e sete mil, trezentos e noventa e sete reais e quarenta e cinco centavos).

Magistrados e militares não ficam atrás

Em 12 de julho de 2020, a Folha de S.Paulo estampou a seguinte matéria:

"Mais de 8.000 juízes receberam acima de R$ 100 mil mensais ao menos uma vez desde 2017"

Os números, diz também a Folha, são resultado de levantamento feito nas folhas de pagamento do Judiciário. Continua, após o anúncio.

Mamata

Os militares, além de terem sido poupados também na Reforma da Previdência — tiveram foi aumentos salariais —, estão aos montes em cargos comissionados no Executivo Federal, a convite do presidente Bolsonaro. 'Mamata' aumenta ainda mais seus já muito bons rendimentos extraídos dos cofres públicos.

A Reforma Administrativa, portanto, é para prejudicar ainda mais quem ganha pouco e privilegiar a minoria que recebe super salários.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.