Três projetos aptos a votação no Congresso atacam duramente o piso do magistério, diz jurista 

23/08/2021

Contrárias até ao STF, trio de medidas são exigências de prefeitos e governadores, e agora encontraram apoio também do presidente Bolsonaro e ministro da Economia Paulo Guedes. 

Publicidade

Ministro Luiz Fux, presidente do STF. Supremo reconheceu constitucionalidade da lei do piso e da jornada extraclasse dos professores, objetos de ataques na Câmara e Senado. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF.
Ministro Luiz Fux, presidente do STF. Supremo reconheceu constitucionalidade da lei do piso e da jornada extraclasse dos professores, objetos de ataques na Câmara e Senado. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF.

Educação | Tramitam na Câmara e Senado três projetos que atacam de forma direta o piso do magistério, as escolas públicas e a jornada extraclasse dos professores. Contrárias até ao STF, trio de medidas são exigências de prefeitos e governadores, e agora encontraram apoio também do presidente Bolsonaro e ministro da Economia Paulo Guedes. Após o anúncio, o jurista Flávio P N Costa, consultado pelo Dever de Classe, fala de forma didática sobre essas três políticas e o perigo que representam para os educadores

Quais são os três projetos em vias de aprovação no Congresso desfavoráveis aos professores?

Dois tramitam na Câmara e um no Senado e podem ser aprovados ainda este ano.

Fale de forma rápida sobre cada um, separadamente...

O primeiro é o Projeto de Lei 3.776/08. Tramita na Câmara e acaba o reajuste do piso do professor pelo mesmo índice do custo aluno e introduz apenas a inflação oficial como correção anual para o magistério público. Na prática, rebaixa os reajustes do educador. Em 2022, por exemplo, está previsto aumento de 12,5% de aumento. Se esse PL for aprovado, reajuste cai para cerca de 7%, estimativa oficial de inflação para este ano.

E os outros dois? (Ver após anúncio).

Um outro projeto é o PL nº 2.075/2021, que também tramita na Câmara e contraria até decisões do Supremo Tribunal Federal (STF). De autoria do deputado Hildo Rocha (MDB-MA), essa medida é mais radical e simplesmente revoga a Lei Federal 11.738/2008, que instituiu o piso nacional dos professores. Se for aprovado, acaba o reajuste pelo custo aluno e a jornada extraclasse dos docentes. Ou seja, o professor não terá mais ganho real de salários e poderá ter mais aulas em sua jornada semanal de trabalho.

O terceiro projeto é a Pec 13/2021. Tramita no Senado e é de autoria do senador Marcos Rogério (DEM-RO). Medida desobriga a União, Distrito Federal, estados e municípios da aplicação de percentuais mínimos de suas receitas na manutenção e no desenvolvimento do ensino, no exercício de 2020, por conta da pandemia de Covid-19. Na prática, se aprovado, retira dinheiro das escolas públicas e dos profissionais do magistério. E poderá ser copiado todo ano, pois prefeitos, governadores e presidente da república são especializados em inventar crises. 

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este tema!

Mais recentes sobre educação...

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".
"Já falei mais de mil vezes: o que define o reajuste é o texto da lei 11.718, que continua totalmente em vigor. Além disso, o índice de 33,23% é baseado em portarias interministeriais do governo federal, algo que também já foi definido em 2021. O anúncio oficial por parte do MEC é só uma mera formalidade, não faz parte...
Inimigos do magistério insistem na tese falsa de que o critério de reajuste do piso nacional da categoria, fixado na Lei 11.738/2008, perdeu sua eficácia, algo que a CNTE desconstrói facilmente a todo instante, com argumentos baseados na lei. Jurista consultado pelo Dever de Classe orienta educadores a não dar ouvidos às mentiras do governo e CNM,...