Reajuste do Piso do Magistério para 2022 é de 12,5%, e pode crescer ainda mais

13/08/2021

Tal percentual previsto de correção é resultado do crescimento do custo-aluno de 2021 em relação a 2020, índice que deve aumentar ainda mais, tendo em vista que a receita de impostos tem sido majorada ao longo do ano.

Publicidade

Errata: reajuste é de 12,5%. Imagem: aplicativo Canva.
Errata: reajuste é de 12,5%. Imagem: aplicativo Canva.

Educação | A estimativa de reajuste do Piso Nacional do Magistério para 2022 é de 12,5%, e o valor mínimo que deverá ser pago a partir de janeiro do próximo ano será de R$ 3.236,05, para jornada de até 40 horas semanais, conforme reza a Lei Federal 11.738/2008, criada no governo Lula.

Tal percentual previsto de correção e valor mínimo são resultados do crescimento do custo-aluno de 2021 em relação a 2020. Índice de reajuste deve aumentar ainda mais, tendo em vista que a receita de impostos tem sido majorada ao longo do ano, conforme destaca Nota Pública da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). Continua, após o anúncio.

CNTE vigilante

Em sua Nota sobre o percentual de reajuste e valor mínimo do piso, a CNTE afirma:

"A CNTE se mantém vigilante quanto ao cumprimento integral do piso do magistério e não aceitará retrocessos como desejam alguns parlamentares, que apresentaram projetos de lei para rebaixar as conquistas da Lei 11.738, especialmente no tocante ao critério de atualização do valor do piso e da jornada extraclasse." 

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este tema!

Mais recentes sobre educação...

Desde 2013, o STF considerou como constitucional a Lei do Piso Nacional dos professores. O mesmo Supremo decidiu ainda que o critério de reajuste anual também está de acordo com a Constituição Brasileira. Tal decisão se deu em fevereiro de 2021, isto é, já na vigência do novo Fundeb.