Maia pede que Bolsonaro envie à Câmara mais uma reforma-bomba contra o funcionalismo público

26/07/2020

Projeto em questão é a Reforma Administrativa, que tem como objetivo-alvo acabar a estabilidade e emperrar as carreiras e a progressão salarial dos servidores da União, estados e municípios.

COMPARTILHE!

Publicidade

Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro em encontro no Palácio do Planalto. Foto: Isac Nóbrega/PR/Agência Brasil.
Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro em encontro no Palácio do Planalto. Foto: Isac Nóbrega/PR/Agência Brasil.

Economia | Segundo matéria no portal Agência Câmara de Notícias (23), Rodrigo Maia pede que o governo Bolsonaro envie ainda este ano um projeto de Reforma Administrativa para apreciação dos deputados. Trata-se de mais uma bomba contra o funcionalismo, tal como é a Reforma da Previdência — já aprovada — e o PL que Maia quer desengavetar contra o piso do magistério.

A Reforma Administrativa que o presidente da Câmara pede a Bolsonaro foi elaborada por Paulo Guedes e sua equipe econômica, e tem como objetivo-alvo acabar a estabilidade, concursos e emperrar as carreiras e a progressão salarial dos servidores da União, estados e municípios. Continua, após o anúncio.

Principais pontos

Pelo que a chamada grande mídia nacional já divulgou amplamente, o presidente Bolsonaro, Paulo Guedes e Rodrigo Maia querem uma Reforma Administrativa baseada nos três seguintes pontos principais, que eles tentam camuflar com eufemismos:

  • Estabilidade. Acaba para os futuros servidores. Os atuais poderão ter que se sujeitar a avaliação periódica de desempenho, cujo objetivo maior é demitir o funcionário.
  • Salários. Os novos entram com salário inicial bem mais baixo. Os atuais terão profundo achamento nos ganhos, pois mecanismos burocráticos da reforma impedirão crescimento na carreira.
  • Concursos. A tendência é acabar ou diminuir bastante, realidade inclusive que já se percebe hoje. Defensores da reforma querem trocar concursos por terceirizações e serviço digital. Continua, após o anúncio.

Urgência

Rodrigo Maia quer urgência na aprovação dessa reforma e diz que se não for aprovada este ano, em 2021 pode esquecer. Veja um trecho de sua fala no Portal Agência Câmara de Notícias (23):

"Nós temos 12 meses para fazer as coisas. Mais do que isso, apresentar uma reforma em 2021, esquece, porque a Casa revisora vai fazer a conta de que tem que fazer a votação no segundo semestre. Aí morreu, ninguém vai votar nada no segundo semestre de 2021", alertou o presidente.

O funcionalismo de todo o País deve ficar em estado de alerta para desativar mais essa bomba que pode vir por aí.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....