Após Fundeb, Rodrigo Maia promete aprovar projeto que reduz piso dos professores

25/07/2020

Trata-se de uma medida que tramita na Câmara desde 2008 e que agora Maia promete desengavetar. Para ele, reajustes do magistério estão altos demais.

COMPARTILHE!

Publicidade

Rodrigo Maia, presidente da Câmara.  Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados.
Rodrigo Maia, presidente da Câmara. Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados.

Educação | No vídeo ao final da matéria, Rodrigo Maia — presidente da Câmara dos Deputados — promete desengavetar o Projeto de Lei 3.776/2008. Esse PL altera o artigo da Lei Federal 11.738/2008 e estabelece que o piso nacional do magistério deixe de ser corrigido anualmente pelo custo-aluno e passe a ser reajustado apenas pelo INPC, que é a inflação oficial do governo federal. 

Se tal proposta for aprovada, o prejuízo para os docentes será muito grande. Em 2020, por exemplo, a correção do piso foi de 12,84%. Se a ideia de Rodrigo Maia já estivesse em vigor, reajuste teria sido apenas de 4,31%, que é a inflação de 2019. Desde 2010, quando o piso passou a sofrer reajustes, todas as correções pelo custo-aluno foram maiores que o INPC.  Continua, após o anúncio.

Contradição

Na verdade, essa proposta do presidente da Câmara dos Deputados é uma grande contradição. O Fundeb, de onde saem os recursos para pagar o magistério público, terá incremento de 13% por parte da União, com aumento já a partir de 2021. Se os recursos para estados e municípios vão crescer de forma substancial, por que ele quer desengavetar projeto para rebaixar o piso?

Quem assistir ao vídeo após o anúncio, entenderá. Rodrigo Maia diz, em ato falho que depois tentou corrigir, que reajuste para professores é jogar dinheiro fora. Para ele, como deixa claro, correção do piso deve ser apenas pela inflação.

  • Fala sobre o piso começa a partir de 19 minutos e 11 segundos e vai até 21 minutos e 22 segundos. Se tiver disposição para assistir desde 17 minutos e 43 segundos é melhor, pois verá com mais clareza que Rodrigo Maia liga rebaixamento do piso à aprovação do Fundeb.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.