Mãe compara escola a abatedouro e diz que não vai correr o risco de perder o filho para a Covid-19

01/08/2020

O medo de contaminação e morte na reabertura precipitada das escolas tomou conta de pais, professores e alunos. Por isso, volta às aulas é rejeitada.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

Saúde | Segundo matéria publicada no site da Central Única dos Trabalhadores (CUT), "Tereza Salim, mãe de um aluno da rede privada de ensino em São Paulo, disse que não mandará seu filho Giuliano para escola de nenhuma maneira até ter vacina. Segundo ela, ele é do grupo de risco e ela não vai mandar seu filho para o abatedouro." Veja, após o anúncio.

'Abatedouro'

O depoimento de Dona Tereza Salim:

"Eu prefiro que meu filho perca o ano escolar do que eu perder ele para esta doença. É como mandar meu filho para um abatedouro e eu não vou fazer isso."

Após o anúncio, vote na enquete e dê também sua opinião.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Prefeitos e governadores querem empurrar a questão até próximo das eleições, quando dirão, também de forma descabida, que correção salarial estará proibida. Professores não devem iniciar o ano letivo para garantir o direito no máximo até fevereiro, aconselha especialista.
Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.