Diretores de escolas públicas e particulares dizem que professores não estão preparados para voltar às aulas

01/07/2020

Problema maior dos educadores é o medo de pegar Covid-19, pois sabem que escolas são locais propícios à disseminação do vírus.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

Educação | Segundo matéria publicada ontem (30) na Folha de S.Paulo, "a maioria dos diretores de escolas brasileiras avalia que os professores não estão preparados para a volta às aulas presenciais, que foram interrompidas pela pandemia do novo coronavírus."

"Para 57,6% dos diretores de escolas públicas e particulares, as equipes não estão prontas para retomar as atividades presenciais." Continua, após o anúncio.

Razões

Diz também a Folha que o não preparo dos professores para retornar às aulas diz respeito a:

  • infraestrutura das unidades
  • defasagem de aprendizado pelo ensino remoto
  • adaptação às novas regras de isolamento e 
  • impactos emocionais da quarentena. Continua, após o anúncio.

Na prática, o problema maior dos educadores é o medo de pegar Covid-19, pois sabem que escolas são locais propícios à disseminação da doença.

"Os dados, diz ainda a Folha, são de pesquisa feita pela Nova Escola com 9.500 professores — 367 deles gestores escolares — da educação básica (da educação infantil ao ensino médio) de todos os estados brasileiros."

Vote na enquete!

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.