Biólogo diz que se crianças voltarem às escolas agora, muitas irão para casa contaminar os pais

25/01/2021

É equívoco defender retorno às aulas presenciais sem vacina, como também é um erro achar que as crianças são quase imunes ao vírus ou que nelas a doença se manifesta de maneira leve.

Publicidade

Não é hora de mandar crianças para a escola. Imagem: aplicativo Canva.
Não é hora de mandar crianças para a escola. Imagem: aplicativo Canva.

Saúde | Devido às inúmeras notícias sobre a volta das aulas presenciais em muitos lugares do Brasil, o Dever de Classe consultou o biólogo mineiro Sérgio G Soares sobre a questão. 

Ele é contra o retorno antes da vacina para os professores e todos os demais profissionais do magistério. E afirma que "se crianças voltarem às escolas agora, muitas irão para casa contaminar os pais." Veja, após o anúncio.

Se crianças voltarem às escolas, os pais correm risco de se contaminar?

Sim. Escolas e salas de aula são espaços naturais de aglomeração e é ilusório achar que professores e funcionários controlarão 100% as crianças, jovens e até muitos adultos dentro do ambiente escolar, assim como também nem as particulares têm total segurança para o retorno. Haverá contaminação e os pais e a família receberão o vírus em casa. E dos filhos.

E a afirmação de alguns médicos no sentido de que as crianças são quase imunes ao vírus ou não se abalam muito no caso de contaminação? (Ver resposta após o anúncio).

É um erro achar que as crianças são quase imunes ao vírus ou que nelas a doença se manifesta de maneira leve. É só pesquisar no Google que você vê muitas mortes de bebês, crianças e adolescentes. E mesmo se fosse totalmente verdade o que você disse, ainda assim seria errado mandá-las para as aulas presenciais agora, pelo poder de transmissão que elas têm.

Qual a saída?

Vacinar, vacinar e vacinar. Abaixo de Deus, só tem esse remédio.

O infográfico abaixo mostra um quadro geral da vacinação, inclusive com os grupos localizados como prioritários pelo Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde.

*O Brasil e a vacina contra a Covid-19

População: 211,8 milhões - IBGE 2020. Cada pessoa deve tomar duas doses, num prazo de 21 dias. 

Para imunizar 100% da população, são necessárias 445 milhões de doses, já com previsão de perda de 5% na logística do armazenamento e transporte.

Mas há quem diga que as condições sanitárias seguras viriam com imunização de 60 a 70 por cento do povo.

Com estes percentuais, a necessidade de doses cairia de 445 milhões para 311 milhões. Continua, após o anúncio.

O ilusório e fantasma Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde prevê a vacinação de — apenas — 49,7 milhões de pessoas, divididos em 03 Grupos, necessitando de 104,3 milhões de doses.

No primeiro grupo estão: trabalhadores de Saúde; pessoas de 75 anos ou mais; pessoas de 60 anos ou mais institucionalizadas; população indígena aldeado em terras demarcadas, povos e comunidades tradicionais ribeirinhas.

O segundo e terceiro grupos são formados por: pessoas de 60 a 74 anos e os portadores de Morbidades: Diabetes mellitus; hipertensão arterial grave; doença pulmonar obstrutiva crônica; doença renal; doenças cardiovasculares e cerebrovasculares; indivíduos transplantados de órgão sólido; anemia falciforme; câncer; obesidade grave (IMC≥40).  

O Brasil — até agora — possui somente as 06 milhões de doses articuladas pelo Governo de São Paulo e dois milhões viabilizados pelo governo federal. Quem não é de grupos prioritários, portanto, deve manter estoque de máscaras, álcool em gel e isolamento social. O contágio continua alto e, se depender do capitão, a fila não vai andar. É só bomba em cima da maioria do povo.

*Com dados de José Professor Pachêco, docente e advogado.

COMPARTILHE

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes sobre educação...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.