O kit de drogas contra Covid indicado por Bolsonaro só é eficaz mesmo para matar e trazer outros efeitos colaterais gravíssimos

23/01/2021

Relatos de médicos e pacientes mostram que, além de óbitos, o tal "tratamento precoce" recomendado por Jair Bolsonaro e seu ministro Pazuello ao povo acarreta hepatites, arritmias, sangramentos, dor de barriga e desidratação.

Publicidade

Foto/Reprodução.
Foto/Reprodução.

Saúde | Não são poucos os casos de pessoas que caíram na conversa do presidente Jair Bolsonaro e do seu ministro da Saúde general Eduardo Pazuello e foram a óbito após se submeterem ao kit de drogas que as duas autoridades recomendam contra a Covid-19. É o que eles chamam de 'tratamento precoce" contra a doença, que só é eficaz mesmo para matar e trazer outros efeitos colaterais gravíssimos. Após o anúncio, veja relatos de médicos e pacientes sobre o assunto.

Relatos de morte e outros graves problemas devido ao kit Covid

Segundo matéria da Folha de S.Paulo (22), uma das vítimas fatais do kit Covid é o policial penal Edson José da Rocha, 51 anos. "Eu sinto o meu coração bater na boca, dizia Edson, segundo conta a irmã da vítima, a médica Ivone Meneguella, intensivista de hospitais em Campinas (SP). Segundo ela, uma arritmia cardíaca e a piora do quadro clínico ficaram claras após o terceiro comprimido de cloroquina que o irmão tomou, apesar do apelo que ela tinha feito aos seus médicos de não dar a droga por causa do histórico de arritmias na família. O policial penal morreu em 26 de agosto do ano passado. Antes de morrer, Edson também desenvolveu grande cansaço, dores na barriga, diarreia e desidratação." Continua, após o anúncio.

A Folha diz também:

"Os medicamentos do "tratamento precoce" da Covid-19 estimulado pelo Ministério da Saúde e pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) podem causar arritmia cardíaca, sangramentos e inflamação no fígado, segundo especialistas."

"Após um ano de pandemia e dezenas de estudos, a cloroquina, a hidroxicloroquina e a azitromicina não mostraram efeito benéfico no tratamento da doença, e não há estudo convincente sobre a eficácia antiviral da ivermectina." 

"Em nota conjunta, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Associação Médica Brasileira (AMB) afirmam que as melhores evidências científicas demonstram que nenhuma medicação tem eficácia na prevenção ou no tratamento precoce para a Covid-19 até o presente momento." 

Após o anúncio, veja como está o mapa da situação do único remédio eficaz contra o coronavírus: a vacina.

*O Brasil e a vacina contra a Covid-19

População: 211,8 milhões - IBGE 2020. Cada pessoa deve tomar duas doses, num prazo de 21 dias. 

Para imunizar 100% da população, são necessárias 445 milhões de doses, já com previsão de perda de 5% na logística do armazenamento e transporte.

Mas há quem diga que as condições sanitárias seguras viriam com imunização de 60 a 70 por cento do povo.

Com estes percentuais, a necessidade de doses cairia de 445 milhões para 311 milhões.

O ilusório e fantasma Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde prevê a vacinação de — apenas — 49,7 milhões de pessoas, divididos em 03 Grupos, necessitando de 104,3 milhões de doses.

O Brasil — até agora — possui somente as 06 milhões de doses articuladas pelo Governo de São Paulo. O presidente Bolsonaro não viabilizou uma gota sequer da vacina até o momento. Quem não é de grupos prioritários, portanto, deve manter estoque de máscaras, álcool em gel e isolamento social. O contágio continua alto e, se depender do capitão, a fila não vai andar. É só bomba em cima da maioria do povo.

*Com dados de José Professor Pachêco, docente e advogado.

COMPARTILHE

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.