Bolsonaristas de classe média não perdem a pose, mas vendem joias e até sapatos caros para quitar dívidas

20/01/2021

No Brasil, 27 % dos lares de classe média gastam mais do que ganham, ou seja, estão muito endividados, segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Pandemia de Covid-19 agravou situação.

Publicidade

Dondocas no sufoco. Imagem ilustrativa: arquivos Webnode.
Dondocas no sufoco. Imagem ilustrativa: arquivos Webnode.

Economia | A crise econômica agravada pelo governo Bolsonaro e a pandemia de Covid-19 tem afetado bastante a classe média no Brasil, em particular aquela que, mesmo sem poder, quer ser mais elitizada e consumista. 

Muitos viram seus negócios quebrar. A péssima distribuição de renda e o forte desemprego fizeram os compradores desaparecer. Dado da OCDE mostra que 27,6% da classe média, mesmo antes da pandemia, já estavam muito endividados.

Uma eleitora piauiense do atual presidente revelou ao Dever de Classe que o sufoco está tão grande que empenha joias e vende até uns sapatos caros que tem para pagar contas. "E o pior é que o banco e as colegas só querem dar mixaria", lamenta. Continua, após o anúncio.

O que disse a *eleitora e fã de Jair Bolsonaro:

"Abri uma loja no shopping em 2007 e vendia bem. A coisa começou a ficar mais difícil em 2017. Em 2020, não deu mais para segurar e quebrei. Agora, empenho joias e tive que vender até uns sapatos caros para pagar conta. E o pior é que só oferecem mixaria. Mas não acho que isso seja culpa do presidente Bolsonaro. O problema começou bem antes e acho que vocês desse site sabem do que estou falando."

*Ela pediu para ficar no anonimato.

Continua, após o anúncio.

Publicado no G1 em 10/04/2019 16h22.

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.