Alta dos preços faz setor da classe média que pensa que é rico trocar a carne de primeira por ovo frito

09/12/2020

Dados de Pesquisa Nacional feita em novembro pelo DIEESE mostram que custo da cesta básica subiu na maioria das capitais.

COMPARTILHE!

Publicidade

A coisa ficou difícil também para muitos que pensam que são elite. Imagem: aplicativo Canva.
A coisa ficou difícil também para muitos que pensam que são elite. Imagem: aplicativo Canva.

Economia | Pesquisa Nacional feita em novembro último pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos — DIEESE — mostra que custo da cesta básica subiu na maioria das capitais. 

Das 17 cidades pesquisadas, 16 teve elevação de preços em relação ao mês anterior, outubro. Alta nos produtos atinge sobretudo os mais pobres, mas afeta também em cheio o setor da classe média que pensa que é rico. Muitos tiveram que trocar a carne de primeira por ovo frito, o que os deixa abalados psicologicamente. Continua, após o anúncio.

Tudo mais caro

Segundo a pesquisa do DIEESE, "foi possível identificar tendências de elevação no custo da carne bovina, do arroz, óleo de soja, açúcar, tomate e da batata na maior parte das cidades." Com base ainda nessa pesquisa, a cesta básica em novembro mais cara é a do Rio de Janeiro. E, diz ainda o DIEESE: com base nessa cesta do Rio, "o salário mínimo necessário em todo o Brasil deveria ser equivalente a R$ 5.289,53, o que corresponde a 5,06 vezes o mínimo vigente, de R$ 1.045,00. O cálculo é feito levando em consideração uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças."

Classe média que pensa que é rica sofre mais

A elevação do custo de vida traz problemas sobretudo para os mais pobres. Mas atinge duplamente o setor da classe média que pensa que é rico, em particular os que saíram às ruas contra o PT e depois votaram no Bolsonaro. Primeiro, porque ficam também privados de uma vida mais confortável. Segundo, porque não entendem que não são ricos. Por isso, sofrem mais, diz a psicóloga carioca Ana C Carvalho. Continua, após o anúncio.

Diz a psicóloga:

"A crise econômica e a elevação do custo de vida abala muito esse setor da sociedade que não é de baixa nem de alta renda, mas que quer levar uma vida de alto padrão e não pode. Deixar de comer carne de primeira, por exemplo, para ter que comer ovo frito, os deixa sem sono. Eles sofrem mais."

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.