'Gripezinha' de Bolsonaro avança e já são quase 1.200 mortes em apenas 24 horas 

19/05/2020

Número total de óbitos no País chega a 17.971. Enquanto isso, o presidente continua a pregar de forma inconsequente e criminosa contra o isolamento social.

COMPARTILHE!

Publicidade

Bolsonaro prega contra a quarentena e certamente é o principal responsável pelo alarmante crescimento de mortes provocadas por coronavírus no País. Foto: Agência Brasil
Bolsonaro prega contra a quarentena e certamente é o principal responsável pelo alarmante crescimento de mortes provocadas por coronavírus no País. Foto: Agência Brasil

Saúde | Segundo dados do Ministério da Saúde (MS) divulgados nesta terça-feira (19), o Brasil chegou a 1.179 novos óbitos por coronavírus registrados nas últimas 24 horas. 

O número é um recorde e superior ao anterior de 12 de maio, quando 881 mortes foram notificadas. Número total de vítimas fatais, de acordo também com o MS, é de 17.971. E os diagnosticados são aproximadamente 272 mil. Continua, após o anúncio. 

Brinca com a morte dos outros

Enquanto o povo morre vítima de coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro continua a pregar contra o isolamento social e certamente é o principal responsável pelo crescimento alarmante de casos e óbitos no Brasil provocados pela pandemia. Continua, após o anúncio.

Segundo matéria do Globo (19), Bolsonaro almoçou nesta terça-feira (19) com os presidentes do Flamengo, Rodolfo Landim, e do Vasco, Alexandre Campello. No cardápio, a volta dos treinos e dos jogos de futebol.

Além de querer reabrir estádios, o capitão quer também volta das atividades escolares e do setor econômico em geral, principalmente do comércio.

Se não for barrado, Jair Bolsonaro levará cada vez mais gente aos cemitérios.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.