Atendimento médico prioritário para professores é garantido em Projeto de Lei

16/03/2020 10:48

Educação / O exercício da sala de aula traz sérias complicações de saúde para os docentes. Reforma da Previdência piorou a situação. PL visa amenizar o problema.

COMPARTILHE!

Publicidade

Mais tempo de sala implica em possibilidade de mais doenças para os educadores. Imagem: aplicativo Canva
Mais tempo de sala implica em possibilidade de mais doenças para os educadores. Imagem: aplicativo Canva

O exercício do magistério é uma atividade muito desgastante, o que acarreta ou agrava problemas de saúde nos professores. A situação piorou com a reforma da previdência do governo Bolsonaro, pois os docentes terão mais tempo de trabalho, principalmente as mulheres, maioria no setor. Professoras cumprirão no mínimo sete anos a mais de sala de aula.

Para amenizar a situação, o deputado Fabio Reis (MDB-SE) propôs o Projeto de Lei 302/20. Medida garante  aos educadores atendimento médico prioritário em instituições públicas e privadas de saude.

Detalhe: Fábio Reis votou a favor da reforma da Previdência, ou seja, ajudou a aumentar o tempo de sala de aula, o que implica em possibilidade de mais doenças para os docentes. Continua, após o anúncio.

Leia também:

Garantias

"Pela proposta [do PL 302/2020], o atendimento prioritário [aos docentes] consiste em garantir marcação de consulta, exames e procedimentos cirúrgicos, respeitadas as regras atuais de prevalência de gestantes, idosos e eventuais emergências." Informação consta no site da Agência Câmara Notícias. Continua, após o anúncio.

Números preocupantes

Segundo pesquisa de 2018 da Associação Nova Escola, feita com mais de 5 mil docentes, 66% das professoras e professores já precisaram se afastar do trabalho por questões de saúde; 87% dos participantes acreditam que o seu problema é ocasionado ou intensificado pelo trabalho. Os números, como se observa, são bem alarmantes.

Resolver o problema

Para resolver o problema, não basta dar atendimento médico prioritário aos educadores. A saída correta é melhorar as condições de trabalho e criar uma política salarial justa, para que os docentes não precisem trabalhar até três turnos para sobreviver. 

Tramitação

A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados.

Com informações de: Agência Câmara de Notícias

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...