Atendimento médico prioritário para professores é garantido em Projeto de Lei

16/03/2020

Educação / O exercício da sala de aula traz sérias complicações de saúde para os docentes. Reforma da Previdência piorou a situação. PL visa amenizar o problema.

COMPARTILHE!

Publicidade

Mais tempo de sala implica em possibilidade de mais doenças para os educadores. Imagem: aplicativo Canva
Mais tempo de sala implica em possibilidade de mais doenças para os educadores. Imagem: aplicativo Canva

O exercício do magistério é uma atividade muito desgastante, o que acarreta ou agrava problemas de saúde nos professores. A situação piorou com a reforma da previdência do governo Bolsonaro, pois os docentes terão mais tempo de trabalho, principalmente as mulheres, maioria no setor. Professoras cumprirão no mínimo sete anos a mais de sala de aula.

Para amenizar a situação, o deputado Fabio Reis (MDB-SE) propôs o Projeto de Lei 302/20. Medida garante  aos educadores atendimento médico prioritário em instituições públicas e privadas de saude.

Detalhe: Fábio Reis votou a favor da reforma da Previdência, ou seja, ajudou a aumentar o tempo de sala de aula, o que implica em possibilidade de mais doenças para os docentes. Continua, após o anúncio.

Leia também:

Garantias

"Pela proposta [do PL 302/2020], o atendimento prioritário [aos docentes] consiste em garantir marcação de consulta, exames e procedimentos cirúrgicos, respeitadas as regras atuais de prevalência de gestantes, idosos e eventuais emergências." Informação consta no site da Agência Câmara Notícias. Continua, após o anúncio.

Números preocupantes

Segundo pesquisa de 2018 da Associação Nova Escola, feita com mais de 5 mil docentes, 66% das professoras e professores já precisaram se afastar do trabalho por questões de saúde; 87% dos participantes acreditam que o seu problema é ocasionado ou intensificado pelo trabalho. Os números, como se observa, são bem alarmantes.

Resolver o problema

Para resolver o problema, não basta dar atendimento médico prioritário aos educadores. A saída correta é melhorar as condições de trabalho e criar uma política salarial justa, para que os docentes não precisem trabalhar até três turnos para sobreviver. 

Tramitação

A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados.

Com informações de: Agência Câmara de Notícias

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Deixe de aterrorizar os brasileiros com suas ameaças. Aceite que a maioria do povo não o quer mais. Vá rezar, se benzer, tomar um banho de sal grosso no lombo. Peça perdão por seus crimes cometidos na presidência. O Brasil quer é Lula de novo", diz um dos trechos enviado pela docente.
Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...