Decisão de Alexandre de Moraes põe fim ao piso do magistério

11/06/2022
Medida monocrática do famoso "Xandão" foi ratificada pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.
Medida monocrática do famoso "Xandão" foi ratificada pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.

"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa. Entidade recorrerá ao Plenário da Suprema Corte.

Educação | Em nota enviada ao Dever de Classe e assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp-Pa) avalia DECISÃO MONOCRÁTICA do ministro Alexandre de Moraes sobre o piso nacional dos professores. Diz o texto, de forma contundente: "Na prática, a decisão põe fim ao piso do magistério."

Entenda melhor a questão, após o anúncio. Ao final da matéria, leia na íntegra o importante parecer do jurista.

Alexandre de Moraes, STF e a decisão que põe fim ao piso dos professores

Origem

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp-Pa) ingressou com Ação Judicial para cobrar cumprimento do Piso Nacional do Magistério, referente ao ano de 2017.

Decisão Monocrática

O processo chegou às mãos do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Em 25 de abril deste ano, o "Xandão" — em DECISÃO MONOCRÁTICA — embarcou em informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará e DETERMINOU "que o piso salarial nacional dos profissionais do magistério deve ser considerado o vencimento-base, acrescido da gratificação de escolaridade", em oposição ao que diz a Lei Federal 11.738/2008, que instituiu o piso nacional dos professores, e ao próprio STF. Em 2011 — através da (ADI 4167) — o Supremo decidiu que o piso é apenas o vencimento-base dos educadores, sem acréscimo de vantagens.

Decisão ratificada pela Primeira Turma do STF

Nota do Sintepp-Pa destaca: "Por unanimidade, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal, em julgamento virtual realizado de 27/05 a 03/06, manteve a decisão monocrática do ministro Alexandre de Moraes, de 25 de abril."

Gravíssimas consequências em todo o Brasil (Ver após o anúncio)

Diz o Dr Walmir Brelaz, do Sintepp-Pa:

"Em termos objetivos, a prevalecer o que decidiu a 1ª Turma [a partir da DECISÃO MONOCRÁTICA de Alexandre de Moraes], o piso do magistério dos servidores da educação estadual só deverá ser reajustado no próximo ano (2023) se o percentual divulgado pelo Ministério da Educação (MEC) ultrapassar 80% do atual valor do piso (R$ 3.845,63), ALGO IMPOSSÍVEL." (Grifos nossos).

"Portanto, na prática, a DECISÃO PÕE FIM AO PISO DO MAGISTÉRIO. A LEI DO PISO SE TRANSFORMARÁ EM MAIS UMA NORMA SEM SENTIDO REAL, pois, mesmo que a decisão seja restrita às partes — categoria estadual e Estado [do Pará] — e ao ano de 2017, ELA SE ESTENDERÁ AO TODOS OS ENTES — ESTADUAIS E MUNICIPAIS —, e aos anos passados, ou seja, os retroativos do piso de 2016 que o estado do Pará ficou devendo aos servidores, por exemplo, correm verdadeira ameaça de também perderem objeto." (Grifos nossos).

Sintepp-Pa vai recorrer

A nota assinada pelo Dr Walmir Brelaz diz que "o sindicato contestou cada um dos fundamentos da decisão de Alexandre de Moraes e Primeira Turma do STF e recorrerá novamente:

"O SINTEPP VAI RECORRER DA DECISÃO AO PLENÁRIO DO STF."


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt 

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação

Ao todo, percentual de corte chega a 96% para 2023, o que é um enorme prejuízo para as crianças e profissionais que atuam na área. Educação de Jovens e Adultos (EJA) também foi tesourada em 56% de suas verbas. Um massacre em toda a Educação Básica