Senador bolsonarista lança novo ataque aos salários dos professores, denuncia CNTE

21/08/2021

Pec proposta pelo bolsonarista Marcos Rogério (DEM-RO) desobriga prefeitos, governadores e presidente da república de cumprirem gastos mínimos constitucionais com Educação. 

Publicidade

Senador Marcos Rogério usa pandemia de Covid para penalizar educadores. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado.
Senador Marcos Rogério usa pandemia de Covid para penalizar educadores. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado.

Educação | Segundo matéria (20) no site da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE): O senador Marcos Rogério (DEM-RO), bolsonarista de carteirinha, apresentou esta semana um requerimento para que seja apreciada a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 13/2021, que "desobriga a União, os Estados, o Distrito Federal e os municípios da aplicação de percentuais mínimos da receita na manutenção e desenvolvimento do ensino, no exercício de 2020". A justificativa do senador foi o desequilíbrio fiscal agravado pela pandemia do novo coronavírus.

Todo ano

Embora o senador Marcos Rogério alegue em sua "justificativa" que seu projeto é apenas para o exercício de 2020, jurista consultado pelo Dever de Classe alerta que medida pode ser copiada todos os anos, bastando para isso que algum parlamentar governista edite novo dispositivo no mesmo sentido, ou seja, que "o País atravessa nova crise econômica etc, etc, etc." Com isso, escolas públicas ficam sem recursos, e professores e demais pessoal do magistério ficam sem reajuste de salário. Continua, após o anúncio.

Efeitos da Pec

"Na prática significa que prefeitos, governadores e o presidente [da república] poderão gastar quanto, quando e 'se' quiserem em educação", denuncia o professor Heleno Araújo, presidente da CNTE. Após o anúncio, Araújo dá mais esclarecimentos sobre o projeto.

Contramão

Diz Heleno Araújo:

"A PEC atua na contramão do direito à educação. Ela libera os recursos que são destinados ao setor para que os governantes usem onde julgarem necessário. Portanto, ela possibilita a redução de investimentos, principalmente neste momento que, por causa da pandemia, o que precisamos é ampliar esses recursos e não o contrário". 

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este tema!

Mais recentes sobre educação...

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".
"Já falei mais de mil vezes: o que define o reajuste é o texto da lei 11.718, que continua totalmente em vigor. Além disso, o índice de 33,23% é baseado em portarias interministeriais do governo federal, algo que também já foi definido em 2021. O anúncio oficial por parte do MEC é só uma mera formalidade, não faz parte...
Inimigos do magistério insistem na tese falsa de que o critério de reajuste do piso nacional da categoria, fixado na Lei 11.738/2008, perdeu sua eficácia, algo que a CNTE desconstrói facilmente a todo instante, com argumentos baseados na lei. Jurista consultado pelo Dever de Classe orienta educadores a não dar ouvidos às mentiras do governo e CNM,...