Bolsonaro exige da Câmara e Senado aprovação urgente de duas PECs que reduzem salário do servidor

07/02/2021 16:56

No Senado, presidente quer aprovação imediata da PEC Emergencial, que corta até 25% dos salários do pessoal dos três poderes da União, estados e municípios. Economia será usada para bancar benefício aos prejudicados pela pandemia de coronavírus. Na Câmara, a ordem é votar a Reforma Administrativa, projeto que, a curto prazo, arrasa carreiras e remuneração do funcionalismo.

Publicidade

Ordem do presidente é para endurecer contra o funcionalismo.  Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.
Ordem do presidente é para endurecer contra o funcionalismo. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.

Economia | Segundo a Agência Câmara de Notícias, o presidente Jair Bolsonaro entregou — pessoalmente — na quarta-feira (3) sua lista de prioridades aos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Ao todo, são 34 projetos que o governo federal quer ver aprovados ainda neste primeiro semestre de 2021. Dois atacam de forma muito dura os servidores públicos.

No Senado, logo no topo aparece a PEC Emergencial186/2019 — que prevê redução de até 25% nos salários do funcionalismo dos três poderes da União, estados e municípios. Além disso, congela carreiras e salários e impede concursos públicos. Continua, após o anúncio.

Servidores pagam auxílio

De acordo com matéria da Agência Senado (4), o governo federal condiciona volta do Auxílio Emergencial à aprovação, dentre outras medidas, dessa PEC 186/2019. Ou seja, na prática, o presidente Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia Paulo Guedes querem que servidores públicos paguem o benefício aos prejudicados pela pandemia de coronavírus.

Na Câmara, ordem do presidente é votar a Reforma AdministrativaPEC 32/2020. A curto e médio prazos, projeto aniquila carreiras e salários de quase todo o funcionalismo, onde o magistério se destaca entre os mais prejudicados.

Após o anúncio, veja pontos mais importantes das duas PECs 

PEC Emergencial - 186/2019 - Principais pontos:

  • prevê redução salarial em até 25% para quem ganhe acima de três salários mínimos, isto é, R$ 3.300,00 (três mil e trezentos reais).
  • veda progressão na carreira; 
  • proíbe realização de concursos públicos.

Continua, após o anúncio.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...