Bolsonaro exige da Câmara e Senado aprovação urgente de duas PECs que reduzem salário do servidor

07/02/2021

No Senado, presidente quer aprovação imediata da PEC Emergencial, que corta até 25% dos salários do pessoal dos três poderes da União, estados e municípios. Economia será usada para bancar benefício aos prejudicados pela pandemia de coronavírus. Na Câmara, a ordem é votar a Reforma Administrativa, projeto que, a curto prazo, arrasa carreiras e remuneração do funcionalismo.

Publicidade

Ordem do presidente é para endurecer contra o funcionalismo.  Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.
Ordem do presidente é para endurecer contra o funcionalismo. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.

Economia | Segundo a Agência Câmara de Notícias, o presidente Jair Bolsonaro entregou — pessoalmente — na quarta-feira (3) sua lista de prioridades aos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Ao todo, são 34 projetos que o governo federal quer ver aprovados ainda neste primeiro semestre de 2021. Dois atacam de forma muito dura os servidores públicos.

No Senado, logo no topo aparece a PEC Emergencial186/2019 — que prevê redução de até 25% nos salários do funcionalismo dos três poderes da União, estados e municípios. Além disso, congela carreiras e salários e impede concursos públicos. Continua, após o anúncio.

Servidores pagam auxílio

De acordo com matéria da Agência Senado (4), o governo federal condiciona volta do Auxílio Emergencial à aprovação, dentre outras medidas, dessa PEC 186/2019. Ou seja, na prática, o presidente Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia Paulo Guedes querem que servidores públicos paguem o benefício aos prejudicados pela pandemia de coronavírus.

Na Câmara, ordem do presidente é votar a Reforma AdministrativaPEC 32/2020. A curto e médio prazos, projeto aniquila carreiras e salários de quase todo o funcionalismo, onde o magistério se destaca entre os mais prejudicados.

Após o anúncio, veja pontos mais importantes das duas PECs 

PEC Emergencial - 186/2019 - Principais pontos:

  • prevê redução salarial em até 25% para quem ganhe acima de três salários mínimos, isto é, R$ 3.300,00 (três mil e trezentos reais).
  • veda progressão na carreira; 
  • proíbe realização de concursos públicos.

Continua, após o anúncio.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.