Números otimistas para reajuste do magistério em 2022

23/12/2021
Complementação da União relativa ao Fundeb passará de 12% para 15% e repasses gerais tendem a continuar crescendo, visto que a economia aos poucos volta ao normal. Além disso, municípios passarão a receber adicional bilionário no FPM. Sem desculpas para não honrar o índice de 33,23%. Imagem: aplicativo Canva.
Complementação da União relativa ao Fundeb passará de 12% para 15% e repasses gerais tendem a continuar crescendo, visto que a economia aos poucos volta ao normal. Além disso, municípios passarão a receber adicional bilionário no FPM. Sem desculpas para não honrar o índice de 33,23%. Imagem: aplicativo Canva.

Landim Neto, editor do site 

+ artigos deste autor

Educação | Governadores, prefeitos, CNM e quem mais chegar podem dizer o que quiserem sobre o reajuste do magistério — 33,23% — confirmado para janeiro de 2022. Nenhum, contudo, conseguirá sustentar pelos fatos que não há dinheiro.

Dados atualizados do Banco do Brasil mostram crescimento de recursos deste ano do Fundeb em relação a igual período de 2020. Leia aqui, aqui e aqui. Em muitas localidades, alta supera 40%. E houve até caso de 100% de majoração.

Prova elementar de que prefeitos e governadores "nadam em dinheiro" destinado a pagar o magistério é o rateio e abono que ora ocorre com o dinheiro desse fundo em todo o Brasil. "Extra" chega a mais de R$ 30 mil. Leia aqui, aqui e aqui. Continua, após o anúncio.

Além do dinheiro do Fundeb, há também o percentual constitucional de pelo menos 25% dos recursos oriundos de tributos que estados, DF e municípios devem aplicar em Educação. 

Na cidade de Belém-PA, por exemplo, o prefeito Edmilson Rodrigues (PSOL-PA) pagou abono de R$ 9 mil a todos os servidores da Educação, e não somente aos professores. Origem dos recursos: sobras do Fundeb e desse referido percentual. Lei aqui.

Outro fator positivo para o reajuste do magistério em 2022 é a elevação da complementação da União para o principal fundo que mantém a educação básica pública. Percentual sobe de 12% para 15%. Que ninguém pense que é pouca coisa. São bilhões a mais nos cofres de prefeitos e governadores.

Por fim, há que se destacar um adicional bilionário no FPM que os prefeitos terão a partir do próximo ano. São mais recursos que, também, podem ser usados na valorização dos profissionais da Educação. Leia aqui.

Os números, portanto, são bem otimistas para o reajuste do magistério em 2022. Não há como um gestor negar. Resta aos educadores e seus sindicatos pressionar para que a lei seja cumprida.



Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. Aproveite para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".