Pesquisa mostra fracasso total do Ensino a Distância e Enem deve ser adiado

17/05/2020

Problemas envolvem professores, alunos e não têm soluções imediatas a curto prazo, algo que inviabiliza a realização do Exame Nacional do Ensino Médio em 2020.

COMPARTILHE!

Publicidade

Professores não foram treinados e ampla maioria dos alunos não tem internet em casa para acessar aulas remotas. Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Professores não foram treinados e ampla maioria dos alunos não tem internet em casa para acessar aulas remotas. Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Península — divulgada com exclusividade no Estadão (17) — mostra o fracasso do Ensino a Distância implantado em todo o País por causa da pandemia de coronavírus. Os graves problemas apresentados pelo estudo envolvem professores, alunos e não têm soluções imediatas, o que inviabiliza totalmente a realização do Enem em 2020. Continua, após o anúncio. 

Graves problemas

Segundo o Estadão, a pesquisa do Instituto Península revela que 83% dos professores entrevistados dizem que não estão preparados para ensinar online. Esse percentual, por si só, já bastaria para expor o fracasso das aulas remotas adotadas nas redes de ensino públicas e privadas por causa da Covid-19. Mas não é só.

Enquanto os professores afirmam que não estão preparados para ministrar aulas online, caso dos alunos é ainda pior. Uma pesquisa realizada pela Casa Fluminense e divulgada no Jornal Nacional (13) mostra que mais de 2,3 milhões de candidatos ao Enem não têm computador em casa — quase a metade dos inscritos. Instituição estuda a vida urbana nas periferias. Continua, após o anúncio.

Diante de tais fatos e da total incerteza da volta às aulas presenciais em todas as escolas, por que o governo Bolsonaro e seu ministro Abraham Weintraub ainda insistem na realização do Enem neste 2020? A maioria aceitará calada ficar no prejuízo?

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Prefeitos e governadores querem empurrar a questão até próximo das eleições, quando dirão, também de forma descabida, que correção salarial estará proibida. Professores não devem iniciar o ano letivo para garantir o direito no máximo até fevereiro, aconselha especialista.
Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.