Coronavírus: "De todos os elementos perigosos, a escola é o maior", diz jornalista da Band News

20/04/2020

Educação / Reinaldo Azevedo adverte que crianças e jovens tendem a ser portadores assintomáticos e podem contaminar milhões de professores.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

Reinaldo Azevedo — um dos mais influentes jornalistas do País — foi taxativo ao comentar na Band News (17) a ideia do presidente Jair Bolsonaro de querer retorno imediato às aulas em todo o Brasil em plena pandemia de coronavírus. Disse ele, no programa "O É da Coisa: "De todos os elementos perigosos, a escola é o maior." 

Azevedo lembrou ainda que milhões de professores podem ser contaminados e que Bolsonaro infringe o Artigo 268 do Código Penal, algo que inclusive dá cadeia e multa. Continua, após o anúncio.

Leia também:

  1. Biólogo alerta sobre perigo de voltar às aulas antes do segundo semestre
  2. Bolsonaro manda professores e alunos para o corredor da morte, diz biólogo
  3. Ministro de Bolsonaro promete dinheiro a universidades que abrirem as portas para a Covid-19

Perigo

Sobre o perigo de reabrir as escolas antes que a pandemia esteja controlada, Reinaldo Azevedo argumenta que crianças e jovens tendem a ser portadores assintomáticos do vírus, ou então podem adquirir formas leves da doença que nem aparecem. Com isso, adverte, podem contaminar seus avós, seus pais e milhões de professores em todo o Brasil.

Cadeia e multa

Em sua fala, o jornalista da Band News fala ainda que Bolsonaro infringe o Artigo 268 do Código Penal, algo inclusive que dá cadeia e multa.

Vote na enquete:

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".
"Já falei mais de mil vezes: o que define o reajuste é o texto da lei 11.718, que continua totalmente em vigor. Além disso, o índice de 33,23% é baseado em portarias interministeriais do governo federal, algo que também já foi definido em 2021. O anúncio oficial por parte do MEC é só uma mera formalidade, não faz parte...