Projeto que prevê adiamento do Enem deve ser votado com urgência na Câmara

11/05/2020

Educação / Medida visa proteger milhões de alunos que estão sem aulas presenciais por conta da pandemia de coronavírus. Bolsonaro e "Centrão" são contra adiar o exame.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

Alguns deputados federais criaram um projeto que prevê o adiamento do Enem 2020 em virtude da pandemia de coronavírus que atingiu todo o País. Medida visa proteger milhões de alunos que estão sem aulas presenciais por causa do fechamento de escolas, sobretudo públicas. 

Segundo matéria do congressoemfoco (11), "das 257 assinaturas necessárias para o regime de urgência, que acelera o trâmite de análise do projeto, faltam apenas 40".

O presidente Bolsonaro e seus seguidores na Câmara — em particular os do recém-cooptado "Centrão" — não apoiam o adiamento do exame. Após o anúncio, vote na enquete sobre o tema e veja mais detalhes da medida.

Querem atrapalhar

Segundo ainda o congressoemfoco:

O professor Israel Batista (PV-DF), um dos autores do projeto, afirmou que partidos do Centrão estão resistentes em apoiar a iniciativa. "A aproximação do governo [Bolsonaro] com o Centrão está prejudicando bastante", disse ele. 

Ou seja, Bolsonaro e seus aliados querem atrapalhar o adiamento do Enem e, com isso, prejudicar milhões de alunos pobres das escolas públicas. Continua, após o anúncio.

O congressoemfoco informa ainda que os parlamentares devem levar o pleito ao presidente da Câmara até amanhã (12), deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), responsável pela pauta de votações. Maia ainda não se manifestou publicamente sobre o assunto.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....