É a mobilização que vai garantir o reajuste do magistério

27/12/2021
Batalha na Câmara pela manutenção da forma de correção do piso está sob controle. Mas outras manobras exigem que magistério lute para fazer valer esse direito. Educadoras do Piauí propõem greve geral, caso gestores radicalizem.
Batalha na Câmara pela manutenção da forma de correção do piso está sob controle. Mas outras manobras exigem que magistério lute para fazer valer esse direito. Educadoras do Piauí propõem greve geral, caso gestores radicalizem.

Landim Neto, docente e editor do Dever de Classe 

+ artigos deste autor

Educação | Que ninguém se engane. Reajuste de 33,23% para o magistério só será cumprido se houver uma forte mobilização da categoria em todo o Brasil. Embora a batalha na Câmara pela manutenção da forma de correção do piso esteja "sob controle", outras manobras certamente virão por parte de estados e municípios..

Para as professoras piauienses Albetisa Moreira e Ana Brito, a saída para receber o reajuste é a organização de uma Greve General. 

No entendimento correto da dupla de educadoras, um forte movimento em todo o Brasil é o método mais eficaz para convencer prefeitos e governadores a cumprir o que diz Lei do Piso Nacional do Magistério. Continua, após o anúncio.

Para que uma mobilização consistente ocorra, é necessário que as entidades que representam os trabalhadores em educação atuem. 

Neste sentido, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e seus sindicatos afiliados têm agido em todo o País. Em 2022, certamente a luta continuará a ser feita.



Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. Aproveite para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".