"Ministro erra ao pregar castigos físicos para crianças; Brasil precisa é valorizar nossos educadores", diz delegado

11/07/2020

COMPARTILHE!

Jetan Pinheiro afirma também que é preciso ampliar de forma geral os recursos para a Educação.

Publicidade

Jetan Pinheiro, delegado da Polícia Civil do Piauí. Foto: cidadeverde.com
Jetan Pinheiro, delegado da Polícia Civil do Piauí. Foto: cidadeverde.com

Educação | Entrevistado pelo Dever de Classe, o delegado da Polícia Civil do Piauí Jetan Pinheiro* criticou o pastor presbiteriano Milton Ribeiro, indicado pelo presidente Bolsonaro para o ministério da Educação. Ribeiro defende castigos físicos como forma de educar as crianças. Jetan diz que o ministro erra ao defender algo ultrapassado, e que o Brasil precisa é valorizar mais os professores e ampliar de forma geral os recursos para a educação. Veja, após o anúncio.

Delegado, por que o novo ministro da Educação erra ao pregar castigos físicos para as crianças?

Violência não é método adequado para se educar ninguém, nem adulto nem criança. A "pedagogia da palmatória" é algo anacrônico, ultrapassado. Nenhum país civilizado adota. Lamentável que o novo ministro ainda defenda esse tipo de coisa. O que o Brasil precisa é valorizar os nossos educadores e ampliar os recursos para a Educação de uma forma geral. Isto sim, melhora o país, e não castigos físicos em casa ou nas escolas. Continua, após o anúncio.

As expectativas com o novo ministro então não são boas?

Infelizmente, parece que não. Esse pensamento dele sobre como educar as crianças mostra que o País continuará a ter muitos problemas no MEC. Cabe à sociedade e aos movimentos sociais ligados à Educação se contrapor ao pensamento equivocado do novo ministro.


*Jetan Pinheiro é delegado concursado e tem quase vinte anos de experiência na área da Segurança Pública no Estado do Piauí. É também membro do grupo Policiais Antifascistas.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.