Mobilização Nacional da Educação agita todo o Brasil

16/03/2022

Pauta número 1 dos protestos é o reajuste de 33,23% para o magistério.

Só a luta direta pode garantir direitos. Imagem: Canva.
Só a luta direta pode garantir direitos. Imagem: Canva.

Educação | Neste dia 16 de março, a Educação Básica Pública de todo o Brasil estará mobilizada em defesa dos interesses das escolas públicas e de seus profissionais. 

Reajuste

A pauta número 1 dois protestos é o reajuste de 33,23% para o magistério. E há também outras importantes reivindicações. Confira, após o anúncio.

Leia também: 

Pauta de reivindicações

Além do reajuste de 33,23%, educadores reivindicam:

  • 1/3 de jornada extraclasse) em todas as redes escolares; 
  • Regulamentação do piso salarial dos profissionais da educação (art. 206, VIII da Constituição Federal); 
  • Valorização dos planos de carreira, contratações por concurso público e contra a Terceirização na educação; 
  • Revogação do "Novo Ensino Médio" excludente e de formação minimalista dos estudantes; 
  • Contra a Militarização escolar, o homeschooling (educação domiciliar) e a Lei da mordaça (Escola sem Partido).

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt 

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.