R$ 70 milhões só em docinhos: "Nem o Sargento Garcia comia tanto açúcar assim", diz nutricionista às FA

27/01/2021

Profissional critica resposta dos militares, que atribuíram gastos milionários do governo em 2020 com supermercado a uma dieta saudável que seus quadros precisam ter.

Publicidade

"Nossos militares estão comendo açúcar demais." Foto/Reprodução.
"Nossos militares estão comendo açúcar demais." Foto/Reprodução.

Economia | "Até o Sargento Garcia ficaria espantado com a quantidade de doces que os militares brasileiros estão comendo. Nem o famoso personagem da série Zorro comia tanto açúcar assim", diz a nutricionista pernambucana Célia N Albuquerque sobre alguns itens das milionárias compras de supermercado do governo Bolsonaro em 2020, e a "justificativa" dada pelas Forças Armadas para os gastos astronômicos. Tanta caloria seria para ajudar na "dieta balanceada e saudável" que os militares precisam ter. 

Dos quase dois bilhões de reais gastos em compras, Ministério da Defesa ficou com a maior parte: mais de R$ ‭632 milhões com alimentação.

Apenas com uma calda para doce e outros cinco tipos de docinhos e guloseimas, Bolsonaro & Cia gastaram R$ 70.337.724,63 (setenta milhões, trezentos e trinta e sete mil, setecentos e vinte e quatro reais e sessenta e três centavos). E tem outros gastos milionários com alimento à base de açúcar. Veja, após o anúncio.

Além dos milionários docinhos, na lista de compras do governo tem achocolatado, açúcar e refrigerantes, que consumiram outros mais de R$ 60 milhões dos cofres públicos. "É caloria demais para o povo pagar", diz a nutricionista Célia Albuquerque. 

Abaixo, veja os alimentos hipercalóricos usados para manter nossos militares saudáveis (R$)

  • CALDA DOCE PARA RECHEIO/COBERTURA3.262.405,02 
  • DOCE CONFEITADO5.453.527,24 
  • DOCE EM TABLETE20.495.017,69 
  • DOCE FRUTA16.988.662,31 
  • DOCE LEITE8.918.442,46 
  • DOCE MASSA15.219.669,91

TOTAL: R$ 70.337.724,63 (setenta milhões, trezentos e trinta e sete mil, setecentos e vinte e quatro reais e sessenta e três centavos). 

Continua, após o anúncio.

Quem quer um docinho aí, gente? Imagem: arquivo Webnode.
Quem quer um docinho aí, gente? Imagem: arquivo Webnode.

Mais açúcar (R$)

  • ACHOCOLATADO14.248.351,17 
  • AÇÚCAR15.937.612,64
  • REFRIGERANTER$ 31.545.337,34

TOTAL: R$ 61.731.301,15 (setenta milhões, trezentos e trinta e sete mil, setecentos e vinte e quatro reais e sessenta e três centavos).

Total Geral (doces + achocolatado + açúcar + refrigerante: R$ 132.069.025,78 (cento e trinta e dois milhões, sessenta e nove mil, vinte e cinco reais e setenta e oito centavos).

Fontes: Painel de Compras do Ministério da Economia e site Metrópoles.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.