Dinheirama gasta com sal compra 11,6t do produto; são 31t por dia; quem comeu tanto sal assim?

27/01/2021

Dependendo do local, dá para comprar até mais disso. É importante ressaltar que — nas compras do governo Bolsonaro — além dos R$ 18,5 milhões do sal há também gasto de R$ 22,1 milhões com carne que já vem salgada. Tudo muito estranho. 

Publicidade

A salgada doce vida do presidente com dinheiro público. Foto/Reprodução.
A salgada doce vida do presidente com dinheiro público. Foto/Reprodução.

Economia | Não são apenas os gastos milionários com bombons, chicletes e açúcar que chamam a atenção na lista de compras do presidente Jair Bolsonaro com supermercado em 2020. Dos quase R$ 2 bilhões gastos, R$ 18.530.214,29 foram usados para comprar sal.

Uma rápida pesquisa no site de um dos supermercados mais chiques e caros do País mostra que com a dinheirama usada pelo governo dá para comprar 11.654,22 toneladas do produto ou mais de 11,6 milhões de quilos, a R$ 1,59 cada. Marca: Qualitá Refinado. Em muitos locais, dá para comprar até mais.

Se dividirmos por todo o ano de 2020, foram mais de 31 toneladas consumidas por dia ou 31 mil quilos. Quem comeu tanto sal assim a cada 24 horas? E tem mais um detalhe importante. Veja, após o anúncio.

Bolsonaro gastou também R$ 22.105.954,93 com carne salgada. Imagem ilustrativa: arquivos Webnode.
Bolsonaro gastou também R$ 22.105.954,93 com carne salgada. Imagem ilustrativa: arquivos Webnode.

Carne salgada

Além dos mais de R$ 18,5 milhões com sal, o presidente Jair Bolsonaro comprou também R$ 22,1 milhões com carne que já vem salgada, inclusive no preço. Isto deixa ainda muito mais estranha toda essa transação.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.