Deputada médica diz que é propaganda enganosa o que falam sobre medicamentos contra o coronavírus

16/07/2020

Jandira Fegahli rebateu sua colega parlamentar Soraya Manato, defensora da cloroquina e de um tal "kit Covid-19".

COMPARTILHE!

Publicidade

Deputada Jandira Fegalhi (PCdoB). Foto: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados.
Deputada Jandira Fegalhi (PCdoB). Foto: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados.

Saúde | A deputada e médica Jandira Feghali (PCdoB-RJ) contestou sua colega parlamentar Soraya Manato (PSL-ES) num debate virtual ocorrido na terça (14). Discussão foi promovida pela comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanha o combate ao novo coronavírus.

Manato é defensora da cloroquina e de um tal "kit Covid-19.

Jandira Feghali rebateu  e disse que medicamentos como o citado por Soraya Manato não têm o aval da OMS e são propaganda enganosa. Continua, após o anúncio.

O que falaram as deputadas

Soraya Manato, defensora da cloroquina:

"No momento, temos o kit Covid-19 e é o que estamos usando."

Jandira Feghali, contra o uso de medicamentos sem eficácia comprovada no combate ao coronavírus: (Ver após o anúncio)

"O que estamos debatendo é se há comprovação do benefício desses medicamentos [cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina]. E a fala majoritária dos especialistas, infectologistas, da OMS é que não há. Esse discurso que diz 'não tendo nada eu dou isso aqui', porque o paciente vai sair mais tranquilo, achando que está curado, esse não é nosso papel. Isso é propaganda enganosa."

Fonte: Agência Câmara de Notícias

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Prefeitos e governadores querem empurrar a questão até próximo das eleições, quando dirão, também de forma descabida, que correção salarial estará proibida. Professores não devem iniciar o ano letivo para garantir o direito no máximo até fevereiro, aconselha especialista.
Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.