Professor explica por que ainda não é o momento de voltar às aulas presenciais

27/07/2020

Educador destaca que volta às aulas em meio à pandemia põe a perder todo o isolamento social feito até aqui. 

COMPARTILHE!

Publicidade

Educação | O professor Paulo Sérgio Santos Rocha* escreve artigo onde explica por que ainda não é o momento de voltar às aulas presenciais. Leia, após o anúncio.

Por que não é o momento de volta às aulas

Por *Paulo Sérgio Santos Rocha

Nos últimos dias, está se discutindo a volta das aulas presenciais por conta da flexibilização do isolamento social praticado por governadores e prefeitos em todo o Brasil. A volta às aulas em meio à pandemia coloca o esforço de isolamento a perder, diz o estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudo (Dieese), informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNAD-C) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indicam mais de 123 milhões de pessoas em domicílios que possuem pelo menos um jovem de até 17 anos. De acordo com a Fiocruz o retorno às aulas coloca em risco a vida de 93 milhões de pessoas. O debate sobre o fim da quarentena, sem o devido controle da pandemia é pensado no contexto das escolas, coloca não apenas o risco de aumento da contaminação, mas expõe também a falta de condições de milhões de famílias para fazerem o remanejamento do cuidado de seus filhos.

O ensino remoto, que vem sendo adotado nas redes de ensino não atende a necessidade dos estudantes, sem planejamento e organização do poder público, a maioria dos alunos não consegue acompanhar o calendário por falta de recursos, como computadores, material didático e acesso à internet, além do mais, os professores não foram capacitados para essa modalidade de ensino.

O Brasil é um dos países que menos testa o Coronavírus, todavia, quando se abriram escolas na Europa, na Coreia do Sul e em outros países, foi testado muito. A falta de estrutura no país deixa a desejar, salas de aulas com 40 a 50 alunos, dessa forma, como será feito o rodízio? quem vai garantir as equipes de apoio que precisarão fazer uma higienização das escolas? Como vai manter, nas salas de aula sem ventilação a distância mínima recomendada? Na China, mesmo com as infecções controladas rapidamente, as aulas presenciais ainda estão suspensas. França e Coreia do Sul reabriram suas escolas, mas presenciaram o surgimento de novos casos e tiveram que fechar dezenas de estabelecimentos. Voltando ao Brasil, se em uma escola uma pessoa testar positivo para a Covid - 19, o poder público testará todos os alunos, professores e funcionários? Os professores e funcionários do grupo de risco estarão liberados do expediente presencial? No tocante a isso, o estado de São Paulo suspendeu o retorno das aulas previsto para o dia 08 de setembro. O Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), elaborou diretrizes nacionais para um protocolo de retorno às aulas presenciais sem a participação do Ministério da Educação (MEC) , a cartilha traz recomendações como o uso de máscaras e do álcool em gel, testagem, reposição das aulas aos sábados e feriados, ensino mesclado entre o presencial e à distância, proibição de trabalho em grupo etc. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) criticou a exclusão dos professores nessa discussão, e diversos sindicatos ameaçam entrar em greve.

A maioria dos diretores de escolas brasileiras avalia que os professores não estão preparados para a volta das aulas presenciais. De acordo com a pesquisa da revista Nova Escola. Em outra pesquisa do Datafolha mostrou que 76% da população acha que as escolas devem permanecer fechadas nos próximos dois meses.

Portanto, o retorno não deve ser imposto por governadores e prefeitos e deve ser criado um ambiente seguro. Se os professores não sentirem segurança, não vao transmitir isso aos alunos, que consequentemente, não conseguirão aprender. O governo federal não repassou nenhum recurso novo para a educação em relação ao combate do Coronavirus, até o momento, só foram feitos os repasses que já estavam previstos em lei. Logo, espera-se que os governadores e prefeitos só decidam retornar quando as condições permitirem, ou seja, somente com a vacina, só assim o retorno se dará de forma segura para toda a comunidade escolar garantindo um ambiente seguro e favorável ao ensino.

*Paulo Sérgio Santos Rocha é professor da educação básica.

Leia também deste autor:

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.