"Quem quiser se arriscar a morrer, que volte agora pra escola; eu e meus filhos não vamos", diz professora

09/08/2020

"Só com vacina retorno às aulas é seguro. O resto é conversa fiada de quem não sabe o que é uma escola por dentro", diz também a docente.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

Saúde | Em e-mail enviado ao Dever de Classe, a professora paulista Sandra N Aragão diz que ela e nem os filhos voltam agora para a escola porque não querem correr o risco de se contaminar de coronavírus e morrer. A educadora afirma também que: "Só com vacina o retorno é seguro. O resto é conversa fiada de quem não sabe o que é uma escola por dentro." Veja, após o anúncio.

Sem vacina não dá

O que disse a professora:

"Quem quiser se arriscar a morrer, que volte agora pra escola; eu e meus filhos não vamos. Só com vacina retorno às aulas é seguro. O resto é conversa fiada de quem não sabe o que é uma escola por dentro."

Após o anúncio, vote na enquete e dê também sua opinião.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

"Já falei mais de mil vezes: o que define o reajuste é o texto da lei 11.718, que continua totalmente em vigor. Além disso, o índice de 33,23% é baseado em portarias interministeriais do governo federal, algo que também já foi definido em 2021. O anúncio oficial por parte do MEC é só uma mera formalidade, não faz parte...
Inimigos do magistério insistem na tese falsa de que o critério de reajuste do piso nacional da categoria, fixado na Lei 11.738/2008, perdeu sua eficácia, algo que a CNTE desconstrói facilmente a todo instante, com argumentos baseados na lei. Jurista consultado pelo Dever de Classe orienta educadores a não dar ouvidos às mentiras do governo e CNM,...
Entidade rebate mentiras do MEC e declara em Nota Pública que "mantém o entendimento de plena vigência da Lei 11.738 e lutará pela aplicação do reajuste de 33,23% ao piso do magistério, em todos os entes da federação, seguindo a determinação da ADI 4848, STF."