100 mil mortos: a "gripezinha" continuará a matar, se Bolsonaro não for banido da presidência

09/08/2020

Ele é cruel, não tem apreço pela vida e sofrimento alheios, a não ser quando se trata de sua própria família. Por isso tem que ser afastado do cargo.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto/Reprodução.
Foto/Reprodução.

Saúde | O Brasil chegou a mais de 100 mil mortes por Covid-19 e ultrapassou a casa dos 3 milhões de infectados. Uma faixa posta por um manifestante em frente ao Palácio do Planalto diz: "A culpa é sua, Bolsonaro". 

Verdade. Desde o início, Bolsonaro chamou a doença de "gripezinha", debochou de seus efeitos, fez pouco caso de medidas básicas de segurança e tentou jogar o povo contra prefeitos e governadores que adotaram a correta política preventiva de isolamento social. 

As mãos do Bolsonaro estão sujas de sangue. Ele tem que ser banido da presidência ou a "gripezinha" continuará a infectar e matar muito mais brasileiros. Continua, após o anúncio.

Fora Bolsonaro

Após dizer "e daí?" e "não sou coveiro" quando o número de mortes e infectados por coronavírus avançava, Bolsonaro  — agora que o País ultrapassou os mais de 100 mil óbitos — declarou que "é preciso tocar a vida."

Bolsonaro é cruel, não tem apreço pela vida e sofrimento alheios, a não ser quando se trata de sua própria família. Por isso tem que ser afastado do cargo, para evitar que a "gripezinha" infecte e mate muito mais pessoas.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

1932. O mafioso Al Capone começa, em Atlanta, a cumprir uma sentença de onze anos de prisão por sonegação de impostos.

1979. Margaret Thatcher vence as eleições gerais do Reino Unido e torna-se a primeira mulher a ser primeira-ministra britânica.

No entendimento de José Professor Pachêco e Renato Coelho de Farias, a correção do piso deve ser pelo custo aluno executado, e não pelo custo aluno estimado. Deste modo, índice de 2024 é 4,70%, e não 3,62%. Nesta linha, valor nominal deste ano é R$ 4.633,44, em vez de R$ 4.580,57. Foi o que divulgamos aqui em matéria do Dever...