Autor do PL que acaba piso nacional do magistério recebe pressão para retirar projeto

20/08/2021

Educadores de todo o Brasil estão enviando e-mails e/ou ligando para o gabinete do parlamentar Hildo Rocha (MDB-MA) na Câmara dos Deputados em Brasília.

Publicidade

Deputado Hildo Rocha (MDB-MA). Foto/reprodução.
Deputado Hildo Rocha (MDB-MA). Foto/reprodução.

Educação | Segundo se percebe nas redes sociais, inclusive na página do Dever de Classe no Facebook, o deputado federal Hildo Rocha (MDB-MA) está recebendo muita pressão dos educadores para retirar de pauta o Projeto de Lei (PL) n° 2.075/2021, de sua autoria e que revoga a Lei Federal nº 11.738/2008, que instituiu o piso nacional dos professores. PL do parlamentar maranhense é muito prejudicial ao magistério de todo o Brasil, pois acaba ganho real de salário e abre brecha para aumento do número de aulas para os docentes. Leia AQUI.

Após o anúncio, veja como enviar mensagens ao deputado para pedir que arquive seu projeto.

Gabinete do deputado Hildo Rocha na Câmara em Brasília

  • E-mail: dep.hildorocha@camara.leg.br
  • Telefone: (61) 3215-5734
  • Endereço: Gabinete 734 - Anexo IV - Câmara dos Deputados

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este tema!

Mais recentes sobre educação...

"Já falei mais de mil vezes: o que define o reajuste é o texto da lei 11.718, que continua totalmente em vigor. Além disso, o índice de 33,23% é baseado em portarias interministeriais do governo federal, algo que também já foi definido em 2021. O anúncio oficial por parte do MEC é só uma mera formalidade, não faz parte...
Inimigos do magistério insistem na tese falsa de que o critério de reajuste do piso nacional da categoria, fixado na Lei 11.738/2008, perdeu sua eficácia, algo que a CNTE desconstrói facilmente a todo instante, com argumentos baseados na lei. Jurista consultado pelo Dever de Classe orienta educadores a não dar ouvidos às mentiras do governo e CNM,...
Entidade rebate mentiras do MEC e declara em Nota Pública que "mantém o entendimento de plena vigência da Lei 11.738 e lutará pela aplicação do reajuste de 33,23% ao piso do magistério, em todos os entes da federação, seguindo a determinação da ADI 4848, STF."
Alegações do governo são improcedentes e já foram desmontadas juridicamente pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). Categoria, portanto, não deve abrir mão do índice de 33,23% e nem aceitar reduzir ou zerar reajuste.