CNM fala em "centrar fogo" em Brasília contra piso do magistério

14/12/2021

Mudar cálculo de reajuste previsto para 2022 é questão de "vida ou morte" para o radical líder Paulo Ziulkoski e seus comandados em todas as regiões do País. Pauta está em destaque na lista de prioridades dessa confederação. Prefeitos estão fazendo vigília para pressionar deputados e senadores.

Paulo Ziulkoski, presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM). Foto: Zeca Ribeiro - Câmara dos Deputados.
Paulo Ziulkoski, presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM). Foto: Zeca Ribeiro - Câmara dos Deputados.

Educação | Centenas de prefeitos de todas as regiões do País desembarcaram nesta terça-feira (14) em Brasília para pressionar deputados e senadores a aprovar uma lista de pautas que consideram prioritárias para os municípios, dentre as quais mudar o cálculo de reajuste do piso nacional do magistério. A agitação é liderada pelo radical presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, que fala de forma inflamada em "centrar fogo" e fazer vigília na capital do País, segundo matéria no portal da entidade (14). CNTE fará ato em sentido oposto.

Após o anúncio, entenda melhor o que querem Ziulkoski e seus comandados em relação à correção salarial prevista para o magistério em 2022. 

Pauta prioritária da CNM

Um dos principais pontos da pauta prioritária que a CNM quer obrigar os parlamentares a aprovar é o Projeto de Lei 3776/08. Medida muda o cálculo do piso do magistério. Em vez de correção pelo mesmo índice de crescimento do custo aluno, tal como está na Lei nº 11.738/2008, criada no governo Lula (PT), atualização se daria pelo INPC acumulado dos últimos doze meses, isto é, a inflação oficial do governo.

Mudar cálculo do reajuste do piso, para eliminar ganho real de salário, é a segunda prioridade da pauta da CNM na Câmara dos Deputados. Foto/reprodução.
Mudar cálculo do reajuste do piso, para eliminar ganho real de salário, é a segunda prioridade da pauta da CNM na Câmara dos Deputados. Foto/reprodução.

Após o anúncio, veja o que na prática significa essa alteração proposta pela CNM e seus reacionários prefeitos.

Queda

Caso os gestores obtenham êxito na pressão sobre os parlamentares, e o cálculo do piso seja alterado para o INPC, reajuste de 31,3% previsto para janeiro de 2022 (crescimento do custo aluno) cai para cerca de 11%, que é a estimativa de inflação deste ano. O gráfico acima ilustra essa questão. Ou seja, é uma queda em torno de 20% no índice até agora previsto. Continua, após o anúncio.

Sair às ruas e pressionar nas redes sociais

Com pauta oposta, profissionais do magistério devem seguir o exemplo dos prefeitos e também devem se mobilizar para impedir o rebaixamento do reajuste da categoria. É preciso sair às ruas e também pressionar os parlamentares nas redes sociais.

CNTE marca mobilização

Neste sentido, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e seus sindicatos afiliados farão também um Ato dia 15 (quarta-feira) em Brasília para garantir direito dos educadores. Leia AQUI.


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite para deixar também uma contribuição para o nosso site.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.