CNTE fará ato em Brasília para manter piso pelo custo-aluno

14/12/2021

Entidade quer fazer forte pressão sobre parlamentares e prefeitos para que reajuste de 31,3% seja mantido.

Professor Heleno Araújo, presidente da CNTE, durante reunião na Comissão de Educação da Câmara. Foto: Reila Maria/Câmara dos Deputados.
Professor Heleno Araújo, presidente da CNTE, durante reunião na Comissão de Educação da Câmara. Foto: Reila Maria/Câmara dos Deputados.

Educação | Em texto publicado no portal da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), o professor Heleno Araújo — presidente dessa entidade — anuncia uma série de ações em defesa do piso nacional do magistério, com destaque para manifestação dia 15 em Brasília (quarta-feira). 

Manter reajuste pelo custo-aluno

Mobilizações anunciadas pelo dirigente da CNTE visam manter o reajuste do piso nacional pelo custo-aluno, o que pode garantir correção de 31,3% para os educadores das redes públicas de ensino dos estados e municípios de todo o Brasil. Entenda melhor, após o anúncio.

Neutralizar ato dos prefeitos

Movimento anunciado pela CNTE deve ser abraçado por toda a categoria do magistério, porque centenas de prefeitos — a partir desta terça-feira (14) — prometem ocupar a capital do País para pressionar parlamentares a rebaixar drasticamente o índice estimado (31,3%) para a correção do piso em janeiro de 2022. Gestores estão sendo organizados pela Confederação Nacional de Municípios (CNM). CNTE quer neutralizar essa agitação.

Presidente da CNTE explica

Diz o professor Heleno Araújo:

PL 3.776/2008 e fim do piso

O ataque da vez contra a educação pública brasileira, empenhado tanto pelo Governo Federal como pelos setores sociais que ainda o apoiam, é a tentativa de aprovar o PL 3.776/2008, que altera o índice de reajuste do Piso Salarial Nacional do Magistério. Querem mudar a atual regra de reajuste, ancorada pelo custo aluno-ano do FUNDEB, que garante percentuais de reajuste acima da inflação, para um índice de reajuste referenciado apena pelo INPC/IBGE.

Essa é uma medida que, se aprovada, enterra e acaba de vez com a política do piso dos/as professores/as no país, que foi pensada como mais um estratégia para atender ao inscrito na Meta 17 do Plano Nacional de Educação (PNE)." (...)

Caso cálculo do piso deixe de ser pelo custo-aluno, e INPC/IBGE for adotado, reajuste previsto para 2022 cai drasticamente.
Caso cálculo do piso deixe de ser pelo custo-aluno, e INPC/IBGE for adotado, reajuste previsto para 2022 cai drasticamente.

Continua, após o anúncio.

Mobilização

Professor Heleno anuncia ações a favor do piso:

Em resposta a essa pressão dos prefeitos, que vivem a reclamar que não têm condições de pagar o piso salarial aos/às professores/as de suas cidades, a CNTE também está convocando os seus sindicatos filiados para que, nessa próxima semana, façam atividades e ações de pressão nos aeroportos e nos escritórios políticos dos/as deputados nos Estados, além de indicar uma grande mobilização de educadoras e educadores de todo o país no próximo dia 15 de dezembro aqui em Brasília. Será a Semana de Mobilização em Brasília para mostrarmos nossa força e nossa voz juntos aos/às parlamentares que querem aprovar a PEC 13, argumentando que sobraram recursos para a educação nesse ano de 2021, mas que, ao mesmo tempo, não têm dinheiro para pagar o piso. O que falta mesmo, como sabemos, é a prioridade à educação pública em nosso país. 


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite para deixar também uma contribuição para o nosso site.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.