"A morte não costuma mandar aviso prévio". Mas, às vezes, manda

11/08/2021

Levemos a sério ou não, o fato é que Jair Bolsonaro exala por todos os poros muitos sinais de que pretende endurecer o regime. Talvez não tenha a capacidade de sedução de Ramon Mercader para conquistar a confiança dos que sua imaginação assassina pretende eliminar. 

Publicidade

Foto/Reprodução.
Foto/Reprodução.

Política | Por *Landim Neto. "A morte não costuma mandar aviso prévio. A imaginação assassina ultrapassa os limites da lógica e do razoável". Estas frases estão no livro "Batismo de Sangue" (1982), de Frei Betto, frade dominicano progressista.

O intelectual religioso utiliza-as para se referir à morte de Leon Trotsky, assassinado em 1940, no México, por Ramon Mercader. Mercader era agente estalinista e conseguiu se infiltrar na casa de um dos principais líderes da Revolução Russa de Outubro de 1917, após conquistar a confiança deste. Continua, após o anúncio.

Mesmo depois de dar alguns sinais de que poderia ser de fato quem era — um assassino político —, Mercader não foi percebido por Trotsky nem por seus seguranças como o perigo iminente que representava. Por isso, em meio a uma conversa amigável entre os dois, o infiltrado puxou uma picareta de dentro de uma capa e a enterrou de forma fatal e cruel no crânio do velho e brilhante dirigente comunista.

Em tempos mais recentes, Jair Bolsonaro também tem dado sinais — bem diretos, inclusive — de que possui uma imaginação assassina que ultrapassa os limites da lógica e do razoável. Em vídeo que circula no You Tube, falou em "matar uns trinta mil, inclusive alguns inocentes". De forma aberta e raivosa, pregou ainda o assassinato do ex-presidente FHC. Mas ficou por isso mesmo.

Como Presidente da República, Jair Bolsonaro não hesita em promover um dos maiores genocídios da História do Brasil, relativo à pandemia de Covid-19, tratada por ele com descaso para muito além de criminoso. Vídeos o mostram imitando com deboche uma pessoa que morre por falta de ar, e fazendo piada — macabra — dos contaminados pelo coronavírus. Punição? Nenhuma. Muito pelo contrário. Continua, após o anúncio.

Jair Bolsonaro também não cansa de elogiar o torturador Brilhante Ustra, seu herói covarde e sanguinário de capa e espada. E está sempre a falar em resgatar um país autoritário aos moldes — ou pior — do que se instalou por aqui em 1964. Não à toa, ontem (10), pôs tanques de guerra para desfilar pelas ruas de Brasília. Alguns creem que isso foi só uma demonstração de fraqueza.

Levemos a sério ou não, o fato é que Jair Bolsonaro exala por todos os poros muitos sinais de que pretende endurecer o regime. Talvez não tenha a capacidade de sedução de Ramon Mercader para conquistar a confiança dos que sua imaginação assassina pretende eliminar. 

Caso seus desejos autoritários prevaleçam, contudo, isto representará um perigo real a muita gente, em particular aos dirigentes da esquerda. "A morte não costuma mandar aviso prévio". Mas, às vezes, manda. E é só o que Jair Bolsonaro tem feito. É preciso mais cuidado com os avisos que ele dá. Leon Trotsky certamente teria tido um outro destino se tivesse sido atento em relação a esse tipo de coisa.

*Landim Neto é editor do Dever de Classe

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Deixe de aterrorizar os brasileiros com suas ameaças. Aceite que a maioria do povo não o quer mais. Vá rezar, se benzer, tomar um banho de sal grosso no lombo. Peça perdão por seus crimes cometidos na presidência. O Brasil quer é Lula de novo", diz um dos trechos enviado pela docente.
Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...