Golpe de 1964 | Miriam Leitão foi colocada nua em uma sala com uma jiboia! Leia e compartilhe...

13/05/2018 10:07

Jornalista Miriam Leitão, presa em 1972 e barbaramente torturada nos porões da ditadura. Foto: Brasil 247
Jornalista Miriam Leitão, presa em 1972 e barbaramente torturada nos porões da ditadura. Foto: Brasil 247

"E eu ali, sozinha, nua. Só eu e a cobra. Eu e o medo. O medo era ainda maior porque não via nada, mas sabia que a cobra estava ali, por perto. Não sabia se estava se movendo, se estava parada."

LEIA TAMBÉM:

Urgente: Vídeo que desmoraliza Bolsonaro foi gravado por ele mesmo! Assista e compartilhe...

DILMA: "Me deram um soco e o dente deslocou-se e apodreceu". Leia e compartilhe...

Leitão diz que Bolsonaro é descerebrado! "Mito" diz que Miriam é uma porca! Compartilhe...

DA REDAÇÃO | Em depoimento dado ao Observatório da Imprensa em 2014, a jornalista Miriam Leitão declarou, a respeito de sua prisão e tortura em 1972, época da ditadura militar:

"Eles saíram e o homem de cabelo preto, que alguém chamou de Dr. Pablo, voltou trazendo uma cobra grande, assustadora, que ele botou no chão da sala, e antes que eu a visse direito apagaram a luz, saíram e me deixaram ali, sozinha com a cobra. Eu não conseguia ver nada, estava tudo escuro, mas sabia que a cobra estava lá. A única coisa que lembrei naquele momento de pavor é que cobra é atraída pelo movimento. Então, fiquei estática, silenciosa, mal respirando, tremendo. Era dezembro, um verão quente em Vitória, mas eu tremia toda. Não era de frio. Era um tremor que vem de dentro. Ainda agora, quando falo nisso, o tremor volta. Tinha medo da cobra que não via, mas que era minha única companhia naquela sala sinistra. A escuridão, o longo tempo de espera, ficar de pé sem recostar em nada, tudo aumentava o sofrimento. Meu corpo doía." (Continua após o anúncio).

"Não sei quanto tempo durou esta agonia. Foram horas. Eu não tinha noção de dia ou noite na sala escurecida pelo plástico preto. E eu ali, sozinha, nua. Só eu e a cobra. Eu e o medo. O medo era ainda maior porque não via nada, mas sabia que a cobra estava ali, por perto. Não sabia se estava se movendo, se estava parada. Eu não ouvia nada, não via nada. Não era possível nem chorar, poderia atrair a cobra. Passei o resto da vida lembrando dessa sala de um quartel do Exército brasileiro. Lembro que quando aqueles três homens voltaram, davam gargalhadas, riam da situação. Eu pensava que era só sadismo. Não sabia que na tortura brasileira havia uma cobra, uma jiboia usada para aterrorizar e que além de tudo tinha o apelido de Míriam. Nem sei se era a mesma. Se era, talvez fosse esse o motivo de tanto riso. Míriam e Míriam, juntas na mesma sala. Essa era a graça, imagino."

O presidenciável Jair Bolsonaro já declarou abertamente que é favorável à tortura e é saudosista da época da ditadura militar no Brasil. Não à toa Guilherme Boulos (PSOL) já alertou que Bolsonaro não é um candidato e sim um criminoso. 

LEIA TAMBÉM: