Vacina acaba e governo diz que não há previsão de envio de novas doses para todo o Brasil

17/02/2021

Problema é resultado da política negacionista do presidente Jair Bolsonaro, que deliberadamente dificultou a compra do imunizante e apostou em "tratamento preventivo" à base de substâncias ineficazes e até perigosas, como a cloroquina e ivermectina.

Publicidade

Presidente Bolsonaro e ministro Pazuello: Negligência no combate ao vírus. Foto: Agência Brasil.
Presidente Bolsonaro e ministro Pazuello: Negligência no combate ao vírus. Foto: Agência Brasil.

Saúde | Matéria do Globo (17) diz que três capitais — Rio, Salvador e Cuiabá — já interromperam a vacinação contra Covid-19 por falta do imunizante. "Outras quatro devem parar até a próxima semana, sem que o governo federal apresente uma previsão para novas entregas às unidades da federação", diz também o jornal da família Marinho. Ou seja, os 26 estados e o Distrito Federal terão que contar apenas com a sorte para combater a pandemia.

Problema é resultado da política negacionista do presidente Jair Bolsonaro, que deliberadamente dificultou a compra da vacina e apostou em "tratamento preventivo" à base de substâncias ineficazes e até perigosas, como a cloroquina e ivermectina. Continua, após o anúncio.

Demissão do ministro não resolve

Diante do agravamento da doença e da escassez de vacina, prefeitos já pedem até a demissão do ministro Eduardo Pazuello. Em nota pública, a Confederação Nacional de Municípios diz que Pazuello tem de ser substituído "para o bem dos brasileiros". Continua, após o anúncio.

Impeachment

Retirar apenas Eduardo Pazuello não resolve. O causador maior do problema é o presidente Jair Bolsonaro. Ele precisa sofrer impeachment, só assim o País se livra desse desgoverno maldito e de todos os seus ministros. Bolsonaro e toda sua equipe não têm o menor apreço pela vida alheia, sobretudo quando se trata dos mais pobres. 

O infográfico abaixo mostra um quadro geral da vacinação, inclusive com os grupos localizados como prioritários pelo Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde.

*O Brasil e a vacina contra a Covid-19

População: 211,8 milhões - IBGE 2020. Cada pessoa deve tomar duas doses, num prazo de 21 dias. 

Para imunizar 100% da população, são necessárias 445 milhões de doses, já com previsão de perda de 5% na logística do armazenamento e transporte.

Mas há quem diga que as condições sanitárias seguras viriam com imunização de 60 a 70 por cento do povo.

Com estes percentuais, a necessidade de doses cairia de 445 milhões para 311 milhões. Continua, após o anúncio.

O ilusório e fantasma Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde prevê a vacinação de — apenas — 49,7 milhões de pessoas, divididos em 03 Grupos, necessitando de 104,3 milhões de doses.

No primeiro grupo estão: trabalhadores de Saúde; pessoas de 75 anos ou mais; pessoas de 60 anos ou mais institucionalizadas; população indígena aldeado em terras demarcadas, povos e comunidades tradicionais ribeirinhas.

O segundo e terceiro grupos são formados por: pessoas de 60 a 74 anos e os portadores de Morbidades: Diabetes mellitus; hipertensão arterial grave; doença pulmonar obstrutiva crônica; doença renal; doenças cardiovasculares e cerebrovasculares; indivíduos transplantados de órgão sólido; anemia falciforme; câncer; obesidade grave (IMC≥40).  

O Brasil, segundo dados das secretarias estaduais de saúde — só vacinou até agora 5,2 milhões de brasileiros. País ocupa a 60ª posição no ranking mundial de vacinação. Quem não é de grupos prioritários, portanto, deve manter estoque de máscaras, álcool em gel e isolamento social. O contágio continua alto e, se depender do capitão, a fila não vai andar. É só bomba em cima da maioria do povo.

*Com dados de José Professor Pachêco, docente e advogado.

COMPARTILHE

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.