PISO | Decisão de ministra pode prejudicar professores de todo o País! Leia e compartilhe...

08/05/2018 18:19

Brasília - O presidente Michel Temer transmite o cargo para a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia (Marcos Corrêa/PR)
Brasília - O presidente Michel Temer transmite o cargo para a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia (Marcos Corrêa/PR)

Cármem Lúcia alegou que reajuste a professores do Estado de São Paulo "significaria grave risco de lesão à ordem e à economia públicas". Gestores podem usar isso contra educadores de todo o País

DA REDAÇÃO | Parece até notícia de site de humor — aliás — de terror, mas não é. A ministra Carmem Lúcia, presidente do STF, decidiu suspender o aumento do vencimento inicial da carreira dos professores da rede estadual de São Paulo, através de uma ação apresentada pelo governo do Estado. Alegou, para tanto, que o pequeno incremento (10,15%) nos salários dos educadores "significaria grave risco de lesão à ordem e à economia públicas". O despacho foi publicado na segunda-feira, 7. Informação está em publicação de hoje (8) do Estadão. (Ao final da matéria, veja como isso pode repercutir negativamente para educadores de todo o Brasil).


LEIA TAMBÉM:


ESPECIAL | Números expõem desvalorização salarial dos professores no Brasil | Leia e compartilhe...


URGENTE | Temer diz que brasileiro se acha um alentado! Leia e compartilhe...


URGENTE | Justiça manda pagar piso dos professores retroativo a 2017! Saiba mais e compartilhe...


SENADO | Funcionalismo terá que pagar 22% para a previdência! Leia e compartilhe...

DIEESE | Mínimo de abril deveria ter sido R$ 3.696,95! Saiba mais e compartilhe...

Segundo o Estadão, a Justiça Estadual Paulista havia estendido aos professores do Estado uma parcela complementar que elevou esse vencimento [inicial], em abril do ano passado, até o piso salarial nacional. À princípio, o complemento, determinado por um decreto estadual, servia apenas aos funcionários com vencimento inferior ao estabelecido pelo piso nacional. 

Essa elevação do vencimento inicial se deu por conta de que a 7ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo atendeu a uma ação do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo. A entidade pediu um reajuste de 10,15% no vencimento inicial da carreira do magistério estadual. (Continua, após o anúncio).

Diz o Estadão sobre isso: Cármen explica que, "sob o pretexto de corrigir a irregularidade de pagamentos inferiores ao piso nacional, ocorreu um reajuste geral de toda a carreira, 'que repercutiu em expressivo incremento dos gastos públicos sem fundamento legal específico'".

Assim, ainda de acordo com o Estadão, Carmem Lúcia alegou em sua decisão negativa aos professores do Estado de São Paulo que "a manutenção da decisão da Justiça paulista [que beneficiava os educadores] significaria "grave risco de lesão à ordem e à economia públicas". (Continua, após o anúncio).

Isto mesmo: para a presidente do STF, os professores ganharem um pífio aumento de 10,15% em seus vencimentos iniciais leva à falência o "pobre" Estado de São Paulo. (Continua, após o anúncio).

Tal medida da ministra Carmem Lúcia, por tabela, pode atingir professores de todo o Brasil. "Em casos similares nos demais estados e municípios brasileiros, autoridades podem recorrer ao STF com base no que decidiu agora a presidente do Supremo", alerta o jurista piauiense Paulo Leitão.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

LEIA TAMBÉM: