Senado aprova em pleno sábado congelamento por 18 meses dos salários do funcionalismo

02/05/2020

Economia / Medida atinge pessoal da União, estados e municípios e é uma exigência do governo Bolsonaro para liberar dinheiro para combate ao coronavírus.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: Agência Brasil.
Imagem: Agência Brasil.

O projeto do governo Bolsonaro que prevê o congelamento dos salários do funcionalismo foi aprovado ontem (2) no Senado em pleno sábado. Informação sobre isto está em matéria do portal do próprio Senado (2) e em praticamente todos os órgãos da grande mídia.

Medida de arrocho é para durar 18 meses e atinge o pessoal da União, estados e municípios. Os três poderes serão atingidos. Exceção apenas para o pessoal da Saúde, policiais, guardas municipais e Exército, Marinha e Aeronáutica. Continua, após o anúncio.

Urgente: Câmara retira Educação do projeto que congela salários dos servidores

Viabilização

Para que tal projeto possa se viabilizar, uma alteração na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) será feita para que servidores fiquem com os salários congelados até o final de 2021. 

Além disso, segundo matéria do SenadoNotícias (3), os entes federados ficam proibidos também de reestruturar a carreira, contratar pessoal e conceder progressões ao funcionalismo nesse mesmo período. 

E como fica, por exemplo, o reajuste do piso do magistério até lá? De antemão, prefeitos e governadores vão querer usar o projeto para congelar também. Leia AQUI as ponderações de um jurista sobre o caso específico dos professores. Continua, após o anúncio.

Desculpa

Equipe econômica comandada por Paulo Guedes alega que sem tal política de congelamento não seria possível enviar dinheiro aos estados e municípios — cerca de R$ 120 bilhões — para ajudar no combate ao coronavírus. Desse total, segundo informa matéria da Folha, R$ 60 bilhões irão direto para o caixa de prefeitos e governadores.

Servidor paga a conta

Bolsonaro e seus aliados no Congresso querem que o funcionalismo de todo o País pague a conta da pandemia. Isto é totalmente inaceitável, haja vista que a maioria dos servidores ganha salários muito baixos e já há tempos não têm qualquer reajuste. Continua, após o anúncio.

Criar mais leis para promover arrocho salarial não ajudará em nada no combate ao coronavírus. Tal medida servirá apenas para aprofundar as desigualdades no próprio serviço público do País. 

Por que não se cria um projeto para cortar ganhos dos políticos e marajás alojados nos três poderes?

Medida aprovada no Senado ainda terá que passar pela Câmara dos Deputados. 

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.