Reitora diz que aulas só voltam em 2020 se for encontrado um remédio que controle o coronavírus

27/05/2020

Fala reflete uma tendência nacional. Educadora defendeu também adiamento do Enem: "Como fazer as provas? Todos com o EPI? Difícil." 

COMPARTILHE!

Publicidade

Denise Pires de Carvalho, reitora da UFRJ. Foto/reprodução.
Denise Pires de Carvalho, reitora da UFRJ. Foto/reprodução.

Educação | Segundo O Globo (27), Denise Pires de Carvalho — reitora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (URFJ) — declarou que aulas presenciais só retornam em 2020 se for encontrado um medicamento que controle o coronavírus. Fala da educadora, que também defende o adiamento do Enem, reflete uma tendência nacional. Continua, após o anúncio e a enquete.

O que disse a reitora, de acordo com O Globo

Sobre a volta às aulas e o remédio contra o coronavírus:

"Esse medicamento não existe ainda. Ainda sou otimista: se encontrar até agosto, setembro, um coquetel de medicações que controle o vírus, pode ser que se retorne presencialmente ainda em 2020." Continua, após o anúncio.

Sobre o Enem:

"Impossível o Enem ser realizado em novembro em cidades como o Rio de Janeiro. Aqui não teremos, provavelmente, escolas completamente abertas. Como fazer as provas? Todos com o EPI? Difícil."

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.